Terça-feira, 07 de dezembro de 2021

loader

Nos Estados Unidos, vacina da Janssen é a que perde mais eficácia com o passar do tempo

A eficácia das três vacinas contra a covid aplicados nos Estados Unidos foi tema de uma pesquisa publicada pela revista científica internacional “Science”. Os pesquisadores concluíram que a eficácia do imunizante da Janssen (de dose única) cai mais rapidamente que os da Pfizer e Moderna com o passar do tempo.

Ao todo, foram avaliados 780 mil norte-americanos que receberam um desses fármacos. Na média, a redução foi de 87,9% para 48,1% no período de fevereiro a setembro.

A perda mais expressiva foi constatada no fármaco da Janssen (também utilizada no Brasil, em menor escala): 86,4% para 13,1% de proteção contra a infecção passou de 86,4% em março para 13,1% nos mesmos oito meses. Já a proteção mais prolongada foi da Moderna, com queda de 89,2% para 58%, ao passo que a da Pfizer passou de 86,9% para 43,3%.

De acordo com os autores da pesquisa, o estudo foi o primeiro a comparar as taxas de proteção contra o coronavírus proporcionadas pelas vacinas disponíveis aos cidadãos do país. Isso levou em conta, inclusive, os índices de mortalidade entre indivíduos que sofreram infecção pelo coronavírus mesmo após completarem o ciclo vacinal.

A pesquisa, realizada por uma equipe vinculada à Universidade do Texas em conjunto com o Instituto de Saúde Pública norte-americana e e Centro Médico de Veteranos dos Estados Unidos, analisou casos de covid com base na vacinação de 780.225 ex-combatentes.

O período de estudo coincide com o surgimento e predominância da variante Delta em território norte-americano. “Os padrões de progressão de infecção ao longo do tempo foram consistentes por idade, apesar da elegibilidade da vacina”, detalha um dos cientistas.

Ela enfatiza que a vacinação com qualquer uma das vacinas protegem contra casos graves e óbitos. O benefício considerado relativo das vacinas para proteção contra a morte foi maior para pessoas com menos de 65 anos, mas também foi “muito forte” em pessoas com mais de essa idade.

Estratificação por idade

O estudo mostrou que o risco de morte por covid foi maior entre veteranos não-vacinados, independentemente da idade e de eventuais comorbidades.

Por idade, no caso dos menores de 65 anos, as vacinas foram, em média, 81,7% efetivas contra o óbito: Pfizer 84,3%, Moderna 81,5% e Janssen 73%, segundo dados de julho a outubro.

Dentre as pessoas a partir de 65 anos, a eficácia geral contra a morte foi de 71,6%. Moderna por 75,5%; Pfizer 70,1% e Janssen 52,2%.

A pesquisa oferece “uma base sólida para comparar a eficácia a longo prazo das vacinas covid e prestar atenção para tomar decisões informadas” sobre vacinação primária, doses de reforço ou medidas como o uso de máscaras, de acordo com a principal autora do estudo, Barbara Cohn, do Instituto Americano de Saúde Pública.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Com novo agravamento da pandemia de coronavírus, Alemanha já fala em aplicar quarta dose de vacina
Maior fenômeno atual da música brasileira, Marília Mendonça colecionou recordes
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play