Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Paralisação nos aeroportos: pilotos e comissários rejeitam nova proposta das empresas aéreas e mantêm greve

Após recusar nova proposta apresentada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) e decidir por manter a greve, o Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) continuou com as paralisações nos aeroportos do País na manhã dessa sexta-feira (23), impactando voos pelo País.

Por volta das 13h50, os painéis de voos dos nove aeroportos nos quais estavam previstas paralisações registravam atrasos em Santos Dumont (Rio; 2 voos), Porto Alegre (1 voo) e Rio-Galeão (Rio; 2 voos), além de voos cancelados em Congonhas (São Paulo; 4 voos), Santos Dumont (2 voos), Porto Alegre (2 voos) e Confins (Belo Horizonte; 3 voos). Os Aeroportos de Brasília, Fortaleza, Guarulhos (São Paulo) e Viracopos (Campinas-SP) não registravam atrasos ou cancelamentos.

Parte dos tripulantes cruzam os braços por duas horas diariamente desde a última segunda (19), sempre das 6h às 8h, para reivindicar aumento real dos salários e melhores condições de descanso. Por conta da greve, a orientação dos aeroportos é que os passageiros entrem em contato com as companhias aéreas para confirmar o status dos voos.

A Infraero informou que, até às 9h da manhã, Congonhas registrou oito voos atrasados e quatro voos cancelados, enquanto o Santos Dumont registrou cinco voos atrasados, sem voos cancelados. A estatal destaca que nem todos têm relação com a paralisação dos aeronautas.

A GRU Airport, concessionária que administra o Aeroporto de Guarulhos, afirmou que por volta das 9h havia registro de três voos que operaram com atraso no aeroporto e nenhum voo cancelado.

O Aeroporto de Brasília divulgou que, das 6h às 10h, 16 voos atrasaram e nenhum foi cancelado.

A Fraport Brasil, que administra dois dos aeroportos em que estavam previstas paralisações, afirmou que não houve atrasos ou cancelamentos pela manhã no Aeroporto de Fortaleza; já o Aeroporto de Porto Alegre registrou dois atrasos.

O Aeroporto Viracopos informou que teve um voo com atraso devido à greve; outros dois voos de chegada foram cancelados por motivos operacionais das companhias aéreas, sem relação com a paralisação dos tripulantes.

O Rio-Galeão afirmou que não registrou nenhum atraso ou cancelamento de voos por causa da greve na manhã desta sexta-feira. A reportagem não obteve retorno do BH Airport, que administra o Aeroporto de Confins, em Belo Horizonte.

Demandas

A nova proposta recusada pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) previa reposição de 100% da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), mais aumento real de 1%. Por determinação do TST, a greve pode atingir somente 10% dos funcionários das empresas. O sindicato afirma que a determinação está sendo cumprida e o movimento ocorre dentro da legalidade.

O SNA aponta que decidiu pela greve “tendo em vista os altos preços das passagens aéreas que têm gerado crescentes lucros para as empresas”. A categoria também reivindica que as empresas “respeitem os horários de início e de término das folgas e que não programem jornadas de trabalho de mais de três horas em solo entre duas etapas de voo”.

O Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA) alega que o preço das passagens aéreas foi fortemente impactado por conta da pandemia e que houve aumento dos custos para as companhias – as quais, segundo o sindicato patronal, acumulam prejuízo.

Em nota divulgada nessa sexta (23), o SNEA destaca que a mais recente proposta do TST é a terceira proposta negada pelos tripulantes, sendo que a primeira foi apresentada pelo SNEA ainda no âmbito da negociação sindical.

O sindicato patronal das companhias aéreas ainda enfatiza que realiza negociações com o SNA desde outubro, “para preservar os direitos dos tripulantes, estendendo a validade da CCT vigente até o fim das negociações, e garantir as viagens aéreas dos passageiros”, e que acatou a primeira proposta de mediação elaborada pelo TST, apresentada no último fim de semana, que também foi rejeitada pelo SNA.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Brasil perde 18 mil leitos pediátricos em 17 anos, a maior parte no SUS
Por fraudes, Wellington Dias promete “pente-fino” em programas sociais
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play