Domingo, 16 de junho de 2024

Pílula que vibra que pode se tornar novo aliado de quem está de dieta

Uma cápsula ingerível que vibra dentro do estômago pode, em breve, ser um aliado de quem está tentando perder peso. Criada por engenheiros do MIT, o dispositivo ativa os mesmos receptores de estiramento de quando o estômago está distendido, criando uma sensação de plenitude.

“Para quem quer perder peso ou controlar o apetite, pode ser tomado antes de cada refeição. Isso poderia ser realmente interessante, pois proporcionaria uma opção que poderia minimizar os efeitos colaterais que vemos com outros tratamentos farmacológicos existentes”, diz Shriya Srinivasan, ex-aluno de pós-graduação e pós-doutorado do MIT que agora é professor assistente de bioengenharia na Universidade de Harvard, em comunicado.

Quando você faz uma refeição farta, seu estômago fica distendido e células especializadas, chamadas mecanorreceptores, enviam sinais ao cérebro. Como resultado, o cérebro estimula a produção de insulina, bem como de hormônios como peptídeo C, Pyy e GLP-1. Todos eles trabalham juntos para ajudar as pessoas a digerir os alimentos, sentir-se saciadas e parar de comer. Ao mesmo tempo, os níveis de grelina, um hormônio que promove a fome, diminuem.

Um estômago cheio de líquido também pode enviar essas mensagens, e é por isso que quem faz dieta é frequentemente aconselhado a beber um copo de água antes de comer. A nova cápsula, parte do mesmo princípio.

Enquanto estudante de pós-graduação no MIT, Srinivasan interessou-se pela ideia de controlar esse processo por meio da vibração, alongando artificialmente os mecanorreceptores que revestem o estômago. Pesquisas anteriores mostraram que a vibração aplicada a um músculo pode induzir a sensação de que o músculo se esticou mais do que realmente foi.

“Eu me perguntei se poderíamos ativar os receptores de estiramento no estômago vibrando-os e fazendo-os perceber que todo o estômago foi expandido, para criar uma sensação ilusória de distensão que poderia modular os hormônios e os padrões alimentares”, diz Srinivasan.

Então, os pesquisadores desenvolveram uma cápsula do tamanho de um multivitamínico, que inclui um elemento vibratório. Quando essa pílula, alimentada por uma pequena bateria de óxido de prata, chega ao estômago, os fluidos gástricos ácidos dissolvem uma membrana gelatinosa que cobre a cápsula, completando o circuito eletrônico que aciona o motor vibratório.

O dispositivo foi testado em animais, em um estudo que foi publicado recentemente na revista científica Science Advances. Porcos receberam esta pílula 20 minutos antes de comer. Os resultados mostraram que este tratamento não só estimulou a libertação de hormônios que sinalizam saciedade, mas também reduziu a ingestão alimentar dos animais em cerca de 40%. Os animais também ganharam peso mais lentamente durante os períodos em que foram tratados com a pílula vibratória.

“A mudança comportamental é profunda, e isso envolve o uso do sistema endógeno em vez de qualquer terapêutica exógena. Temos potencial para superar alguns dos desafios e custos associados à administração de medicamentos biológicos através da modulação do sistema nervoso entérico”, diz o autor sênior Giovanni Traverso, professor associado de engenharia mecânica no MIT e gastroenterologista do Brigham and Women’s Hospital.

A versão atual da pílula foi projetada para vibrar por cerca de 30 minutos após chegar ao estômago, mas os pesquisadores planejam explorar a possibilidade de adaptá-la para permanecer no estômago por períodos mais longos, onde possa ser ligada e desligada, conforme necessário. Nos estudos em animais, os comprimidos passaram pelo trato digestivo em quatro ou cinco dias.

Os animais não apresentaram sinais de obstrução, perfuração ou outros impactos negativos enquanto a pílula estava no trato digestivo.

São necessárias mais pesquisas para garantir que esta tecnologia pode ser usada com segurança em humanos. Mas se isso se comprovar, tal pílula poderá oferecer uma forma minimamente invasiva de tratar a obesidade e mais acessível e prática do que os medicamentos como os agonistas do GLP-1

“Para muitas populações, algumas das terapias mais eficazes para a obesidade são muito caras. Em grande escala, o nosso dispositivo poderia ser fabricado a um preço bastante rentável. Adoraria ver como isto transformaria os cuidados e a terapia para pessoas em ambientes de saúde globais que podem não ter acesso a algumas das opções mais sofisticadas ou caras que estão disponíveis hoje”, avalia Srinivasan.

O próximo passo da equipe é procurar formas de aumentar a produção das cápsulas para viabilizar o início de estudos em humanos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Entenda como funcionam os cabos submarinos que conectam o Brasil na internet
A mais nova dor de cabeça da Apple é um aplicativo de mensagem. Entenda
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play