Domingo, 07 de agosto de 2022

Policial que matou tesoureiro do PT deve deixar hospital e ir para a prisão; ele pode receber alta nesta sexta

A Justiça do Paraná determinou nesta quinta-feira (4) que o policial Jorge Guaranho, que matou o tesoureiro do PT Marcelo Arruda, seja transferido para Complexo Médico Penal assim que receber alta médica.

A decisão é do juiz Gustavo Germano Francisco Arguello, da 3ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná.

Guaranho está internado em hospital de Foz do Iguaçu desde 10 de julho e a previsão é de que receba alta hospitalar nesta sexta-feira (5). Ele está internado no Hospital Ministro Costa Cavalcanti.

O juiz se manifestou após a defesa de Guaranho pedir o relaxamento da prisão preventiva, decretada dois dias após o crime.

Os advogados defenderam medidas cautelares menos rigorosas, argumentando que a gravidade do crime imputado ao policial não justifica a prisão preventiva. Como alternativa, propuseram também a prisão domiciliar, destacando o quadro de saúde de Guaranho.

“A alta hospitalar não significa alta médica, tendo em vista que o paciente demanda cuidados especializados para atividades básicas da vida”, afirma a defesa do policial. À Justiça, os advogados citam a necessidade de Guaranho passar por reabilitação, com fisioterapia e fonoaudiologia.

Ao se manifestar sobre o pedido, o Ministério Público do Paraná afirma: “Não há falar em ‘alegação vazia da gravidade do crime’, ‘mera retórica’ ou ‘atuação contida’ do detento na espécie, visto a gravidade acachapante da conduta”, afirmam os promotores.

Os promotores foram contra Guaranho ficar preso em casa e contra a substituição da prisão por medidas mais leves de restrição.

O MP pediu que, ao ter alta do hospital, o policial seja transferido para o Complexo Médico Penitenciário do Estado do Paraná ou para o Complexo Penitenciário Federal.

Assim como o Ministério Público, o juiz concordou com a necessidade de manter Guaranho na prisão.

O juiz determinou ainda que Guaranho seja colocado em cela separada dos demais, como garante a lei ao se tratar de presos integrantes da Administração da Justiça Criminal.

Imagens

Registros de acesso às imagens de câmeras de segurança do local onde o tesoureiro do PT foi morto foram deletados dois dias após o crime. A informação faz parte de laudo pericial juntado na ação penal.

A análise do equipamento que armazena as imagens de câmeras de segurança da associação foi feita por cinco peritos, diz o laudo, e foi solicitada pela Polícia Civil.

“Ao analisar as configurações do equipamento identificou-se que o serviço de acesso remoto P2P estava ativado e que às 08h57min02seg do dia 11/07/2022 ocorreu um evento de ‘Limpar’ que apagou todos os registros de eventos do aparelho anteriores a esta data. Logo, pela análise dos logs presentes não foi possível afirmar se houve acesso às imagens na data de 09/07/2022’, diz trecho do laudo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Auxílio Brasil: empréstimo consignado multiplica efeito eleitoral do benefício, dando até 2 mil e 600 reais a famílias
Confira o serviço de vacinação contra covid em Porto Alegre nesta sexta-feira
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play