Segunda-feira, 17 de junho de 2024

População afetada por enchente no RS é orientada a tomar vacinas contra cinco doenças; saiba mais

O Ministério da Saúde orienta a população do Rio Grande do Sul, afetada pelas enchentes que atingem 90% do estado, a se vacinar e tomar doses de reforço contra cinco doenças: Influenza, Covid-19, tétano, hepatite A e raiva. O governo também monitora casos de leptospirose e outras doenças que podem surgir em decorrência da contaminação da água, mas diz que situações como a da dengue estão sob controle.

O secretário de Atenção Especializada do Ministério da Saúde, Adriano Massuda, que está no comando do Centro de Operações de Emergência em Saúde (COE) do Rio Grande do Sul, frisa que a prevenção é essencial para evitar a superlotação da rede de assistência.

“Em função das enchentes, há um aumento de incidência de doenças gastrointestinais, afecções de pele, entre outras. Estamos fazendo o monitoramento de casos de leptospirose, e não há nenhum aumento extraordinário que gere uma preocupação além do necessário. Então, estamos acompanhando. Há notificações de casos de dengue, mas de maneira controlada”, detalha.

Recomendações por vacina:

Influenza – Abrigados, socorristas e população em geral, acima de 6 meses.

Covid-19 – Abrigados, socorristas e população em geral, acima de 6 meses.

Antitetânica – Socorristas, população com ferimento, gestantes.

Hepatite A – Crianças de 1 ano a menos de 10 anos, condições especiais e gestantes em abrigos.

Raiva humana – Pré-exposição para grupos de risco de exposição ocupacional ou pós-exposição para os acidentados com animais.

Centro Estadual

Em meio à calamidade pública em que se encontra o RS, a área de Imunizações do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) reforça a importância de manter a imunização contra doenças que possuem vacina. Os imunizantes que já estavam previstos no calendário vacinal, conforme indicação do Plano Nacional de Imunizações (PNI), estão à disposição dos municípios. Algumas vacinas específicas também estão sendo enviadas, conforme disponibilidade.

Dentro do possível, a orientação é que sejam atualizados esquemas de vacinação contra a gripe (influenza) e covid-19, que protegem contra infecções respiratórias, especialmente no atual momento, em que várias pessoas estão abrigadas em espaços com outras famílias, facilitando a contaminação por esses vírus.

Além dessas, também estão sendo aplicadas vacinas antirrábicas, antitetânicas e contra Hepatite A, que são as principais ocorrências em eventos climáticos extremos como esta que está assolando o RS. Conforme demandas, também estão sendo enviados por via área, de acordo com as condições dos locais, soros antídotos contra picadas de animais peçonhentos.

Em decorrência das enchentes, muitas pessoas perderam diversos documentos, incluindo a carteira de vacinação, porém existe um sistema de informação com registros. Em caso de não haver nenhuma vacina registrada, a pessoa deverá fazer as vacinas conforme o calendário nacional de vacinação recomendado para a idade.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Central Logística da prefeitura de Porto Alegre abastece entregas de donativos para abrigos familiares
Se Lula acertar no Sul, sobe nas pesquisas; se errar, cai. É do jogo
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play