Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Presidente da Fifa defende aplicação de derrota automática em casos de racismo

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, defendeu a derrota automática em caso de manifestações racistas durante as partidas, como as que acontecerem no último sábado (20) em jogos do Campeonato Italiano e da 2ª divisão da Inglaterra.

“Os eventos que aconteceram em Udine e em Sheffield são totalmente abomináveis e completamente inaceitáveis. Não há espaço para racismo ou qualquer forma de discriminação, seja no futebol ou na sociedade em geral. Os atletas afetados pelos acontecimentos do último sábado têm meu total apoio”, escreveu Gianni Infantino.

“Além dos três protocolos antirracismo (paralisação da partida, 2ª paralisação e abandono do jogo), nós precisamos forçar a derrota automática para clubes cujos torcedores cometam racismo e forcem o abandono das partidas, assim como aplicar banimentos de estádios a nível mundial e também acusações criminais contra os racistas”, completou o presidente da Fifa.

Na Itália, o goleiro Mike Maignan, do Milan, chegou a abandonar o gramado em protesto durante jogo contra a Udinese, após ser repetidamente ofendido pela torcida da equipe da casa. O arqueiro francês conversou com o árbitro e em seguida foi para os vestiários, sendo acompanhado por seus colegas de equipe. Todos retornaram minutos depois e deram sequência à partida.

Mais cedo, o meio-campista Kasey Palmer, do Coventry City, alegou ter sido vítima de racismo nos minutos finais da vitória por 2 a 1 sobre o Sheffield Wednesday, fora de casa, pela Championship inglesa.

Punições mais severas

Mike Maignan, que já havia sofrido racismo de forma explícita durante jogo entre Milan e Cagliari, há dois anos, pediu para que as punições sejam mais severas.

“Eles [torcedores da Udinese] fizeram barulhos de macaco o tempo todo. Não é a primeira vez que isso acontece comigo. Eles devem sofrer sanções duras, porque só ficar falando não resolve nada”, disparou, em entrevista ao DAZN.

Vítima frequente de racismo na Espanha, Vinicius Junior usou sua rede social para se posicionar após o episódio envolvendo Maignan. “Só falar não vai mudar nada. Estas são as palavras de Maignan. É hora de prender os racistas para que tenham vergonha de quem são”, escreveu o atleta brasileiro.

Na última quinta-feira, torcedores do Atlético de Madrid proferiram ofensas racistas direcionadas a Vini Jr antes de clássico pela Copa do Rei da Espanha.

Em sua conta no X, Kasey Palmer também desabafou sobre o caso de racismo na 2ª divisão inglesa.

“Estou muito decepcionado de ter que vir aqui e escrever isso. Racismo é uma desgraça. Não há qualquer espaço para isso no mundo. Sou negro e tenho orgulho disso. Crio meus três filhos exatamente com esse pensamento. E, para ser honesto, parece que as coisas nunca vão mudar, não importa o quanto a gente tente”, lamentou.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Prejuízos e dívidas: Lula vai se reunir com empresas aéreas nos próximos dias para discutir ajuda ao setor
Pix Automático: saiba como a nova ferramenta vai facilitar a sua vida
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play