Domingo, 19 de maio de 2024

Primeiro-ministro de Israel diz que o país está se preparando para cenários em áreas além de Gaza

Israel continua a guerra em Gaza, mas também se prepara para cenários em outras áreas, disse o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu nesta quinta-feira (11), em meio a preocupações de que o Irã se prepare para atacar Israel em resposta ao assassinato de comandantes iranianos de alto escalão.

“Quem quer que nos prejudique, nós os prejudicaremos. Estamos preparados para atender a todas as necessidades de segurança do Estado de Israel, tanto defensivamente quanto ofensivamente”, disse ele em comentários divulgados por seu gabinete após uma visita à base aérea de Tel Nof no sul de Israel.

Israel tem se preparado para uma possível retaliação iraniana pelo assassinato de um general superior e de seis outros oficiais iranianos num ataque aéreo ao complexo da embaixada iraniana em Damasco, no dia 1 de abril. Israel não disse ser responsável, mas o líder supremo do Irão, o aiatolá Ali Khamenei, disse na quarta-feira (10) que Israel “deve ser e será punido” pelo ataque.

Netanyahu fez seus comentários enquanto tropas e aviões de guerra israelenses iniciavam uma operação no centro de Gaza durante a noite, que os militares disseram ter como objetivo destruir a infraestrutura de grupos armados palestinos.

A maior parte das tropas israelenses foram retiradas de Gaza, em preparação para um ataque à cidade de Rafah, no sul de Gaza, onde mais de 1 milhão de palestinos estão abrigados, mas os combates continuaram em várias áreas do enclave.

Moradores e militantes disseram que os combatentes se envolveram em tiroteios com as forças israelenses, que invadiram as áreas norte e sul do campo de refugiados de Al-Nuseirat. Os bombardeios israelenses aéreos, terrestres e marítimos, que até agora destruíram vários edifícios, incluindo duas mesquitas, foram quase ininterruptos, disseram.

“Foi como se o exército de ocupação estivesse lançando uma nova guerra”, disse Raouf Abed, 20 anos, de Deir Al-Balah, a sul do campo de refugiados de Al-Nuseirat. “As explosões foram ininterruptas, os sons vieram de diferentes direções”, disse ele.

“Cada vez que esperamos que haja um cessar-fogo, Israel aumenta a agressão, como se tentasse pressionar o Hamas atacando-nos, os civis”, disse ele. No subúrbio de Zeitoun, na Cidade de Gaza, um ataque aéreo israelense matou oito palestinos num mercado, disseram autoridades de saúde, enquanto outro matou outras duas pessoas no campo de Jabalia, no norte de Gaza.

Os ataques militares israelenses mataram 63 palestinos e feriram outros 45 nas últimas 24 horas, disse o Ministério da Saúde de Gaza. Pelo menos 33.545 palestinos foram mortos desde o início da ofensiva israelense, disse o ministério, com a maior parte dos 2,3 milhões de habitantes deslocados e grande parte do enclave devastado.

A guerra começou quando o Hamas liderou um ataque ao sul de Israel, no qual 1.200 pessoas foram mortas e 253 feitas reféns. Cerca de 130 ainda estão detidos incomunicáveis ​​em Gaza, diz Israel.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Sem categoria

Seccional gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil completa 92 anos de atividades
Presidente da Câmara chamada ministro Alexandre Padilha de “incompetente”
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play