Quarta-feira, 19 de junho de 2024

Prisão de ex-vice-presidente acirra crise entre México e Equador

O México vai recorrer à Corte Internacional de Justiça da Organização das Nações Unidas (ONU), para denunciar o Equador por violação do direito internacional. O ex-vice-presidente equatoriano, Jorge Glas, estava asilado na embaixada mexicana no país. A polícia do Equador invadiu na sexta-feira (6), à noite, a embaixada do México e prendeu o ex-vice-presidente. Ele é condenado por corrupção e tinha pedido asilo político na missão diplomática. O México reagiu e rompeu as relações com o governo equatoriano.

As imagens do momento da invasão, mostram que um carro da polícia do Equador sai da embaixada do México levando preso o ex-vice-presidente equatoriano Jorge Glas, que estava asilado no prédio. O cônsul Roberto Canseco, que chefiava a embaixada, corre atrás do veículo, e é derrubado no chão pelos policiais. Canseco disse que a ação policial foi “uma barbaridade. É impossível violar uma embaixada”.

A ministra das relações exteriores do México, Alicia Barcena, anunciou o “imediato rompimento de relações diplomáticas com o Equador” e que todo o pessoal diplomático do México no Equador está sendo retirado do país. O México vai recorrer à Corte Internacional de Justiça da ONU, para denunciar o Equador por violação do Direito Internacional.

Convenção de Viena

Pela Convenção de Viena, de 1961, os prédios de uma missão diplomática são invioláveis. 193 países assinaram o texto. Inclusive, Equador e México. Forças de Segurança do país anfitrião não podem entrar em embaixadas sem a permissão do chefe da missão.

Jorge Glas tem 54 anos. Na década passada, era um dos políticos mais poderosos do Equador. Ele foi vice-presidente de Rafael Correia e, por um ano, vice de Lenin Moreno. Em 2017, a Justiça o condenou por associação ilícita e suborno.

O Ministério Público o acusou de liderar uma rede de corrupção que negociava contribuições de empresas para o partido do presidente Rafael Correa e Lenin Moreno. Jorge Glas teria recebido 13,5 milhões de dólares da Odebrecht.

Passou cinco anos na cadeia. Em novembro de 2022, conseguiu um habeas-corpus. Mas em janeiro deste ano, a Justiça retomou a ordem de prisão. Um mês antes, Glas pediu asilo à embaixada mexicana em Quito, onde esperava conseguir um salvo-conduto para viajar para a Cidade do México. Em vez disso, o presidente equatoriano Daniel Noboa ordenou sua captura.

Crise entre os países

A mais recente crise entre México e Equador começou na semana passada, quando o presidente mexicano Andrés Manuel Lopez Obrador declarou que o assassinato do candidato Fernando Villavicencio, em agosto do ano passado, pouco antes do primeiro turno, foi decisivo para a eleição de Daniel Noboa, dois meses depois.

Até aquele momento, o atual presidente não aparecia entre os primeiros nas pesquisas. O governo Noboa considerou os comentários ofensivos e expulsou a embaixadora mexicana. Sexta-feira (5) à noite, depois de ordenar a invasão da embaixada, o governo do Equador divulgou um comunicado.

O Equador declarou que “as embaixadas têm a finalidade de servir como espaço diplomático para estreitar as relações entre países. Que nenhum criminoso pode ser considerado um perseguido político. Que Jorge Glas é um condenado com pena executória e teve mandado de prisão expedido pelas autoridades competentes.”

No texto, o Equador afirma que o México abusou de imunidades e privilégios ao dar abrigo e asilo diplomático a Glas e contrariou o quadro jurídico convencional e que por isso a captura foi efetuada. No fim, afirma que o Equador é um país soberano – e não vai permitir que delinquentes fiquem livres.

Nos últimos anos, autoridades mexicanas concederam asilo ou refúgio a políticos ligados ao ex-presidente Rafael Correia. No sábado (6), o presidente do México, Manuel Lopez Obrador declarou que o ex-vice presidente equatoriano era um refugiado e que havia pedido asilo por perseguição política. “O Equador violou o direito internacional e a lei mexicana. E, por isso, o México suspendeu imediatamente as relações diplomáticas.”

Nas imagens de sábado (6) de manhã em Quito, vê-se o momento em que um carro blindado saía de um centro de detenção levando preso o ex-vice-presidente Jorge Glas, transferido para uma prisão de segurança máxima no porto de Guayaquil, onde estão presos os chefes do narcotráfico no Equador.

As informações são do Jornal Nacional.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

O embate jurídico no caso do bolsonarista que matou petista
Após críticas, ministro Alexandre de Moraes pede abertura de inquérito contra Elon Musk
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play