Segunda-feira, 22 de julho de 2024

Quanto rende a poupança com a nova taxa básica de juros, a Selic de 10,75% ao ano? Veja simulações a partir de R$ 1 mil

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) reduziu a taxa básica de juros da economia, a Selic, em 0,25 ponto porcentual. Com isso, a taxa foi de 11,25% para 10,75%. O corte dos juros reduz a rentabilidade de vários títulos da renda fixa, como CDBs, Tesouro Selic e poupança.

No entanto, segundo Fabrício Voigt, economista e analista sênior da Aware Investments, dentre as três modalidades citadas, a poupança é a única que não será impactada com o novo corte de juros feito pela equipe de Campos Neto.

Isso acontece porque as aplicações efetuadas na caderneta após 2012 possuem regra própria. Quando a Selic está acima de 8,5% ao ano, o retorno será de 0,5% ao mês mais a Taxa Referencial (TR), e com Selic abaixo de 8,5% ao ano o retorno será de 70% da Selic mais a TR.

“Única variação neste momento que poderíamos esperar seria em função da taxa referencial (TR), que depende da Taxa básica financeira (TBF) e a aplicação do redutor (R) divulgado pelo Bacem. Logo, não esperamos alterações significativas para as remunerações da Poupança enquanto a taxa básica estiver acima de 8,5% ao ano”, explica Voigt.

Segundo estimativas de Einar Rivero, sócio fundador da Elos Ayta Consultoria, o dinheiro que for depositado na poupança após o corte recente do Copom deve render 8,02% nos próximos 12 meses. Ou seja, se a pessoa investir R$ 1.000, ela terá R$ 1.080,20 no final. Já se o indivíduo depositar R$ 100.000 na poupança, ele terá R$ 108.020,00 após 12 meses.

Confira as simulações com os valores de R$ 1 mil, R$ 5 mil, R$ 10 mil, R$ 50 mil e R$ 100 mil:

* Investimento de R$ 1 mil – R$ 1.080,20 após 12 meses;

* Investimento de R$ 5 mil – R$ 5.401 após 12 meses;

* Investimento de R$ 10 mil – R$ 10.802 após 12 meses;

* Investimento de R$ 50 mil – R$ 54.010 após 12 meses;

* Investimento de R$ 100 mil – R$ 108.020 após 12 meses.

Poupança

Andre Sandri, sócio da AVG Capital, vê qualidades na modalidade como o fato dela ser isenta de imposto de renda para pessoa física e de ter fácil liquidez. No entanto, ele alerta que não considera a poupança como um investimento. Na visão dele, o produto é apenas uma opção para colocar a reserva de emergência.

“Em termos de rentabilidade, a poupança geralmente fica atrás de outras opções de investimentos, especialmente em cenários de taxa de juros mais elevada, podendo não compensar a inflação, resultando em perda do poder de compra ao longo do tempo”, aponta Sandri.

Para se ter uma ideia, a poupança teve um rendimento de 8,21% em 2023, enquanto os investimentos indexados ao Certificado de Depósito Interbancário (CDI) tiveram uma rentabilidade de 13% no ano passado, segundo dados de Einar Rivero.

Ou seja, o investidor que colocou o seu dinheiro em um CDB que rende 100% do CDI teve uma rentabilidade muito melhor do que a pessoa que colocou o dinheiro na poupança. Por isso, o economista e analista sênior da Aware Investments comenta que esse é o melhor caminho.

“Os mais adequados seriam os CDBs com liquidez diária, pois poderiam ser resgatados a qualquer momento. Vale lembrar que mesmo que os CDBs paguem Imposto de Renda, eles geram um retorno líquido maior ao investidor que a poupança”, afirma Voigt

Ele ressalta que, em termos de garantias, a poupança e o CDB possuem a proteção de até R$ 250 mil por CPF oferecida pelo fundo garantidor de crédito (FGC). Ou seja, se o banco onde o dinheiro está aplicado quebrar, o investidor deve receber o valor aplicado integralmente, se ele não aportou acima de R$ 250 mil.

Por fim, Fabrício Voigt diz que o investidor deve olhar para outros títulos, como as Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) ou as Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs). “Devemos apenas nos atentar aos prazos de resgates destas aplicações, pois nem todas possuem liquidez diária. Como exemplo, as letras de crédito tiveram mudanças em sua regulação, deixando seus resgates mais longos”, salienta Voigt.

Ou seja, com base nos números e nos analistas, a poupança não é a uma boa opção de investimento, nem mesmo para quem tem perfil conversador.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Quanto rende a poupança com a nova taxa básica de juros, a Selic de 10,75% ao ano? Veja simulações a partir de R$ 1 mil

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) reduziu a taxa básica de juros da economia, a Selic, em 0,25 ponto porcentual. Com isso, a taxa foi de 11,25% para 10,75%. O corte dos juros reduz a rentabilidade de vários títulos da renda fixa, como CDBs, Tesouro Selic e poupança.

No entanto, segundo Fabrício Voigt, economista e analista sênior da Aware Investments, dentre as três modalidades citadas, a poupança é a única que não será impactada com o novo corte de juros feito pela equipe de Campos Neto.

Isso acontece porque as aplicações efetuadas na caderneta após 2012 possuem regra própria. Quando a Selic está acima de 8,5% ao ano, o retorno será de 0,5% ao mês mais a Taxa Referencial (TR), e com Selic abaixo de 8,5% ao ano o retorno será de 70% da Selic mais a TR.

“Única variação neste momento que poderíamos esperar seria em função da taxa referencial (TR), que depende da Taxa básica financeira (TBF) e a aplicação do redutor (R) divulgado pelo Bacem. Logo, não esperamos alterações significativas para as remunerações da Poupança enquanto a taxa básica estiver acima de 8,5% ao ano”, explica Voigt.

Segundo estimativas de Einar Rivero, sócio fundador da Elos Ayta Consultoria, o dinheiro que for depositado na poupança após o corte recente do Copom deve render 8,02% nos próximos 12 meses. Ou seja, se a pessoa investir R$ 1.000, ela terá R$ 1.080,20 no final. Já se o indivíduo depositar R$ 100.000 na poupança, ele terá R$ 108.020,00 após 12 meses.

Confira as simulações com os valores de R$ 1 mil, R$ 5 mil, R$ 10 mil, R$ 50 mil e R$ 100 mil:

* Investimento de R$ 1 mil – R$ 1.080,20 após 12 meses;

* Investimento de R$ 5 mil – R$ 5.401 após 12 meses;

* Investimento de R$ 10 mil – R$ 10.802 após 12 meses;

* Investimento de R$ 50 mil – R$ 54.010 após 12 meses;

* Investimento de R$ 100 mil – R$ 108.020 após 12 meses.

Poupança

Andre Sandri, sócio da AVG Capital, vê qualidades na modalidade como o fato dela ser isenta de imposto de renda para pessoa física e de ter fácil liquidez. No entanto, ele alerta que não considera a poupança como um investimento. Na visão dele, o produto é apenas uma opção para colocar a reserva de emergência.

“Em termos de rentabilidade, a poupança geralmente fica atrás de outras opções de investimentos, especialmente em cenários de taxa de juros mais elevada, podendo não compensar a inflação, resultando em perda do poder de compra ao longo do tempo”, aponta Sandri.

Para se ter uma ideia, a poupança teve um rendimento de 8,21% em 2023, enquanto os investimentos indexados ao Certificado de Depósito Interbancário (CDI) tiveram uma rentabilidade de 13% no ano passado, segundo dados de Einar Rivero.

Ou seja, o investidor que colocou o seu dinheiro em um CDB que rende 100% do CDI teve uma rentabilidade muito melhor do que a pessoa que colocou o dinheiro na poupança. Por isso, o economista e analista sênior da Aware Investments comenta que esse é o melhor caminho.

“Os mais adequados seriam os CDBs com liquidez diária, pois poderiam ser resgatados a qualquer momento. Vale lembrar que mesmo que os CDBs paguem Imposto de Renda, eles geram um retorno líquido maior ao investidor que a poupança”, afirma Voigt

Ele ressalta que, em termos de garantias, a poupança e o CDB possuem a proteção de até R$ 250 mil por CPF oferecida pelo fundo garantidor de crédito (FGC). Ou seja, se o banco onde o dinheiro está aplicado quebrar, o investidor deve receber o valor aplicado integralmente, se ele não aportou acima de R$ 250 mil.

Por fim, Fabrício Voigt diz que o investidor deve olhar para outros títulos, como as Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) ou as Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs). “Devemos apenas nos atentar aos prazos de resgates destas aplicações, pois nem todas possuem liquidez diária. Como exemplo, as letras de crédito tiveram mudanças em sua regulação, deixando seus resgates mais longos”, salienta Voigt.

Ou seja, com base nos números e nos analistas, a poupança não é a uma boa opção de investimento, nem mesmo para quem tem perfil conversador.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Cheque ainda existe? Confira os números do uso ao longo dos anos
Taxa básica de juros, a Selic: Banco Central passou a sinalizar apenas um corte de 0,50 ponto percentual na próxima reunião
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play