Domingo, 21 de abril de 2024

Recusa de brasileiros em responder questionário prejudica conclusão do Censo do IBGE

Pelo Brasil, o censo do IBGE prorrogou a coleta de dados, mas os recenseadores ainda encontram resistência entre os entrevistados.

É um trabalho de persistência. As perguntas são simples: quantas pessoas moram na sua casa, qual o grau de instrução, quais são as idades… Mas conseguir as informações é missão quase impossível. “Não atendem, e quando atendem não vêm responder”, diz o recenseador Rodrigues Júnior.

Resistências

Mato Grosso é o estado com o maior número de moradores não encontrados pelo IBGE: 12,37%. No Brasil, a taxa é de 4,02%. Já São Paulo é o estado em que há mais negativas aos recenseadores: 4,14%. A taxa de recusa no país está em 2,26%.

A dificuldade de fazer a pesquisa aparece em várias partes do Brasil: em Campo Grande; nos povoados quilombolas, no Maranhão; nas aldeias indígenas, em Mato Grosso; nos centros urbanos.

Nas grandes cidades, tão desiguais, o IBGE enfrenta dificuldade para conseguir respostas principalmente nos dois extremos. Nos bairros mais carentes, o problema maior é a ausência de moradores. Nos mais nobres, a recusa em receber o recenseador. O resultado é o mesmo: falta de informações para deixar o censo mais completo.

Em um condomínio de São Paulo, só oito dos 24 proprietários foram ouvidos, depois de quatro tentativas.

“É cansativo, e é tão simples responder. Demora só de cinco a 15 minutos”, afirma a recenseadora Milena Pires de Souza.

Disk Censo

“Eu preciso reduzir essa recusa, eu preciso que os moradores ausentes respondam o IBGE. A gente tem um disk censo, que é o 137. A população precisa ajudar o IBGE a terminar esse censo”, diz o presidente em exercício do IBGE, Cimar Azeredo.

A ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, pediu que os brasileiros respondam ao censo. Segundo ela, o País não pode deixar que uma situação adversa, “legada do governo anterior, que negava a ciência e que abandonou as políticas públicas baseadas em evidências, atinja a credibilidade do IBGE”.

Tebet lembrou que é importante que as pessoas entendam que, ao não atenderem ao IBGE, as políticas públicas municipais de saúde, educação, obras públicas, entre outras, ficam prejudicadas, pois o acesso dos municípios aos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) varia de acordo com o tamanho da população”, diz o ministério em nota divulgada à imprensa.

Importância

Na comunidade de Heliópolis, em São Paulo, 20% dos moradores ainda não conversaram com os recenseadores. Gente que sai cedo para trabalhar e volta só à noite.

“Eles podem ter passado na minha casa, mas como eu não fico em casa, podem ter passado e não ter encontrado ninguém”, afirma a comerciante Elenilza Alves Araújo.

Um comunicado do IBGE orienta quem está nessa situação a ligar e marcar um dia com o recenseador. Uma oportunidade que não pode ser perdida.

“Acho importante a gente responder ao censo para que a gente possa buscar políticas públicas, trazer políticas públicas para dentro das favelas. Porque quando você não responde ao censo, você é uma pessoa invisível”, diz o presidente da Cufa/SP, Marcivan Barreto.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Nova tabela do Imposto de Renda deve isentar 13 milhões de brasileiros
Justiça italiana pede que Robinho cumpra no Brasil sua pena de prisão por estupro
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play