Sábado, 13 de abril de 2024

Rede de exploração infantil em Ilha de Marajó, no Pará, já foi tema de CPI no Senado

De volta ao centro das atenções devido a denúncias de ser o palco de um cenário em que crianças são sexualmente exploradas, a Ilha de Marajó, no Pará, já viu o mesmo tema ser discutido em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), no Senado, em 2010.

Dessa vez, o cenário ganhou repercussão e chamou a atenção de influenciadores após a cantora Aymeê fazer fortes relatos sobre o tema em um programa de competição musical, há uma semana.

Após cantar a artista declarou: “Marajó é uma ilha a alguns minutos de Belém, minha terra. E lá tem muito tráfico de órgãos. Lá é normal isso. Tem pedofilia em nível hard”. “Marajó é muito turístico, e as famílias lá são muito carentes. As criancinhas de 6 e 7 anos saem numa canoa e se prostituem no barco por R$ 5”, completou a artista.

CPI

Em 2010, após o tema da exploração sexual infantil ser tema de comissões locais, o senado se debruçou sobre dezenas de denúncias e relatos de que o arquipélago concentrava diversos casos de violência sexual contra crianças e adolescentes.

Durante a CPI, os parlamentares também mencionaram o caso do ex-deputado Luiz Afonso Sefer, condenado, anos mais tarde, a 20 anos de prisão pelo crime de estupro de vulnerável. Ele foi acusado de adotar uma criança aos 9 anos, prometendo trabalho, mas iniciou os abusos dias após a chegada da menina.

A comissão também destacou a exploração sexual nas embarcações, principalmente nas balsas e navios de transporte de cargas para a cidade Manaus, identificada como “rota da exploração sexual”, abrangendo, principalmente, os municípios de Portel, Muaná, Breves, Curralinho, São Sebastião da Boa Vista e Gurupá.

O bispo Dom José Luis Azcona, que há décadas luta contra a exploração de menores na ilha, teve participação importante na CPI e voltou a chamar atenção para o caso novamente em 2015, ao relatar que crianças se ofereceram aos ocupantes de balsas com consentimento familiar.

Em 2023, após receber um pedido para deixar a região da representação diplomática do Vaticano, houve protestos locais e a liderança religiosa se manteve na região.

Relatos falsos

Em 2020, a então ministra Damares Alves mencionou em um culto em Goiânia que buscava soluções para denúncias de mutilação e tráfico de crianças para exploração sexual na Ilha de Marajó, afirmando possuir evidências.

Após pedido do MPF por informações, ela declarou que as denúncias se baseavam em relatos, não em provas. O MPF alegou propagação de fake news, exigindo retratação pública e uma indenização de R$ 5 milhões por danos sociais e morais à população do arquipélago.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Rússia proíbe entrada de mais autoridades e políticos da União Europeia no país em resposta a sanções
Após reunião, Lula autoriza pagamento de R$ 20,5 bilhões em emendas antes de eleições
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play