Segunda-feira, 17 de junho de 2024

Taylor Swift tem melhor ano para qualquer líder empresarial em tempos recentes

Taylor Swift não precisou dirigir uma grande empresa ou gerenciar um Banco Central para exercer um imenso poder econômico este ano.

A superestrela pop reinou suprema em 2023, não apenas como artista musical, mas também como empresária: sua “The Eras Tour” lotou estádios em todo o mundo, fãs esbanjaram em mercadorias enquanto assistiam a seus shows, o filme de sua turnê estourou recordes de bilheteria no fim de semana de estreia, e a própria Swift se tornou bilionária ao longo do caminho.

Swift alcançou feitos notáveis que seriam impressionantes para qualquer líder empresarial típico administrando uma empresa Fortune 500. Ela comandou uma base leal de fãs que saíram com força total para gastar, e numa economia impulsionada principalmente pelos gastos do consumidor, isso é sucesso para qualquer líder empresarial – quer tenha ou não o título de “diretor executivo”.

“Ela é uma potência em termos de negócios”, disse Armen Shaomian, professor associado de gestão de esportes e entretenimento da Universidade da Carolina do Sul. Nenhuma outra empresa líder na memória recente gerou tanta boa vontade junto aos clientes, tanto entusiasmo internacional ou tanta perspicácia empresarial.

É por isso que Taylor Swift é a empresária do ano da CNN – mais um elogio à enorme influência da cantora icônica na sociedade capitalista mais rica do mundo.

Sucesso comercial da “Eras Tour”

A “The Eras Tour” foi a peça central do ano fenomenal de Swift e se estenderá até o final de 2024. StubHub disse que a turnê de Swift “foi a maior” nas duas décadas de história da empresa de ingressos, ultrapassando outras de sucesso atua em termos de venda de ingressos.

“Taylor Swift não estava apenas se apresentando; ela estava reescrevendo o manual, deixando um rastro de brilho, estímulos econômicos e pulseiras de amizade por onde passava”, dizia o relatório de fim de ano da empresa.

A própria Swift não divulgou números oficiais de vendas, mas algumas estimativas mostram que a turnê já está arrecadando 10 dígitos. A Pollstar estimou no início deste mês que os primeiros 60 shows da turnê arrecadaram mais de US$ 1 bilhão.

Uma análise compartilhada no início deste ano projetou que os shows de Swift apenas na América do Norte poderiam gerar mais de US$ 2 bilhões em receitas, tornando-se a turnê de maior bilheteria de todos os tempos.

A atração gravitacional de Swift foi tão forte que os fãs aumentaram agressivamente os preços dos ingressos no mercado de revenda. SeatGeek disse anteriormente à CNN que o preço médio de revenda de um ingresso da “The Eras Tour” foi de US$ 1.607, um aumento de 741% em relação à turnê “Reputation” em 2018, para a qual o preço médio de revenda do ingresso foi de US$ 191.

Ela também é uma chefe generosa, dividindo bônus de US$ 100 mil com motoristas de caminhão da “Eras Tour” durante o verão. A turnê sensacional em si foi como uma bola itinerante de atividade econômica, cruzando as principais cidades americanas enquanto os fãs desciam gastando dinheiro de suas carteiras.

Os quartos de hotel nas cidades que sediaram os shows da “Eras Tour” lotaram rapidamente, e varejistas disseram que foram incentivados pelos espectadores que buscavam roupas que combinassem com o tema da turnê, e um relatório do Federal Reserve até observou como a turnê aumentou a receita dos hotéis na Filadélfia, de acordo com uma empresa na pesquisa.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Música

Algoritmo prevê se uma pessoa vai morrer em 4 anos, com acerto em 78% das vezes
Kanye West volta ao Instagram e pede desculpas por comentários antissemitas
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play