Sábado, 22 de junho de 2024

Tensão na América Latina: Guiana pede ajuda aos EUA e Venezuela se diz ameaçada

A Venezuela reagiu às declarações do presidente da Guiana, Mohamed Irfaan Ali, que solicitou ajuda dos Estados Unidos para se defender das tentativas de Nicolás Maduro de anexar a região do Essequibo. Em comunicado, o governo venezuelano disse que a presença militar americana na área reivindicada representa uma “ameaça”.

“Agindo sob o mandato da transnacional americana ExxonMobil, a Guiana está abrindo a possibilidade de estabelecer bases militares de uma potência imperial, ameaçando a zona de paz delineada na região”, afirmou a Venezuela.

“Seguindo a doutrina da diplomacia bolivariana pela paz, pedimos à Guiana que abandone o comportamento errático, ameaçador, arriscado e siga o caminho do diálogo direto, como manda o Acordo de Genebra”. O acordo mencionado é o tratado de 1966, entre Venezuela e Reino Unido, que reabriu a questão da soberania sobre o Essequibo.

Além disso, a gestão Maduro classificou como “provocação” os exercícios militares que os Estados Unidos anunciaram na Guiana nesta quinta-feira (7).

“Esta infeliz provocação dos Estados Unidos em favor da ExxonMobil na Guiana é mais um passo na direção errada. Alertamos que não seremos desviados de nossas ações futuras para a recuperação do Essequibo”, disse Vladimir Padrino López, ministro do Poder Popular para a Defesa, no X, antigo Twitter.

Este é o primeiro movimento militar dos EUA na região desde o referendo sobre a anexação de Essequibo do último domingo (3), quando 95% dos venezuelanos votaram em favor da anexação. O presidente guianense tem feito uma série de afirmações sobre a defesa da região.

“Estamos nos preparando para o pior cenário, com os nossos aliados, para reforçar nossa posição em defender o Essequibo”, disse Irfan Ali.

Em pronunciamento o líder da Guiana disse ter acionado o Conselho de Segurança da ONU e tido conversas com EUA, Brasil e França, para obter garantias de defesa. Para ele, a Venezuela age fora da lei ao desrespeitar a Corte Internacional de Justiça (CIJ), que decidiu em favor da Guiana.

“Nossas Forças Armadas estão em alerta máximo. A Venezuela declarou-se fora da lei.”

Maduro mandou criar o Estado de Guiana Essequiba, nomeou o general Alexis Rodríguez Cabello como autoridade única do território e ordenou à estatal PDVSA que distribua licenças para exploração de petróleo na região. Um novo mapa do país, com a área anexada, também foi exibido por ele.

A Guiana, uma nação de 800 mil habitantes, busca agora apoio da comunidade internacional para manter a soberania sobre o território, que corresponde a 70% da superfície do país.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

A Marinha do Brasil decidiu não usar a internet da Starlink em alguns dos principais navios da frota, alegando interesse experimental na tecnologia de Elon Musk
Ao menos uma vaga de titular para mulheres na direção da Câmara dos Deputados
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play