Segunda-feira, 17 de junho de 2024

Uma empresa apontada pelo Tribunal de Contas da União como “laranja” foi contratada pelo Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social

O Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social assinou no início de abril um contrato de R$ 12,1 milhões com uma empresa considerada “laranja” para entregar 25,3 mil cestas básicas à população ianomâmi, assolada por uma crise humanitária. A fornecedora é suspeita de ser usada para burlar licitações no governo de Jair Bolsonaro e está na mira de uma investigação do Tribunal de Contas da União (TCU). Documentos revelam que a pasta sabia dos indícios de irregularidade e, mesmo assim, decidiu seguir adiante com o negócio, firmado com dispensa de licitação, sem necessidade de concorrência.

O ministério informou ter iniciado um procedimento para rescindir o acordo firmado com a Super Cesta Básica de Alimentos sem que qualquer produto tenha sido fornecido e antes de efetuar qualquer pagamento, “em razão de não cumprimento contratual”. A pasta alega ainda que a empresa “não apresentou impedimento à participação no processo, e, por ofertar o menor preço e demonstrar todas as certidões necessárias, foi realizada a contratação”.

A Super Cesta Básica de Alimentos foi contratada para providenciar itens como sardinha enlatada, carne seca, farinha e amendoim torrado aos ianomâmis. No papel, a fornecedora é registrada no nome de uma sócia-proprietária, mas na prática, segundo o TCU, é controlada por dois empresários que têm como método utilizar nomes de “laranjas a fim de não cumprirem com suas obrigações, com objetivo fraudulento de dificultar a localização de bens e valores”.

Gestão Bolsonaro

Um relatório do TCU produzido em agosto do ano passado apontou indícios de que empresas pertencentes ao mesmo grupo dos dois empresários foram usadas para fraudar licitações no governo passado. A Super Cesta Básica de Alimentos chegou a ser proibida de ser contratada pelo poder público por período de um ano, em 2020.

Enquanto a punição estava em vigor, o grupo passou a utilizar outra empresa, com o nome de Popular Cestas Básicas de Alimentos, para disputar licitações. Essa fornecedora, que chegou a firmar um contrato de R$ 39 milhões com o governo de Jair Bolsonaro, está em nome de outro laranja e beneficiário do Auxilio Emergencial, segundo o TCU. Procurada, a Popular Cestas Básicas de Alimentos não se manifestou.

O TCU chegou aos reais proprietários após checar transações financeiras e empréstimos, além de realizar consultas em cartórios e diligências em endereços ligados à firma. Os técnicos da Corte de Contas ainda realizaram inspeções nos endereços dos “laranjas” e constataram que moram em residências que não condizem com o faturamento das companhias. Segundo o TCU, “nenhuma dessas pessoas aparenta condições econômicas compatíveis com o porte das empresas”.

Quando decidiu contratar a Super Cesta Básica de Alimentos, em abril deste ano, o ministério já sabia dos problemas envolvendo a empresa no governo anterior. Em janeiro, um parecer do advogado da União e Coordenador-Geral de Licitações, Contratos e Pessoal do Ministério do Desenvolvimento Social orientou a pasta a abrir uma investigação para a “completa elucidação dos fatos narrados na representação do TCU”.

Posição oficial

O secretário-executivo do ministério, Osmar Ribeiro de Almeida Júnior, chegou a enviar em janeiro um ofício ao TCU para comunicar a abertura de um procedimento interno para apurar supostas irregularidades envolvendo a participação da Super Cesta Básica de Alimentos e Popular Cestas Básicas de Alimentos em licitações no governo anterior. Apesar disso, a pasta decidiu contratar uma dessas fornecedoras.

Almeida Júnior justificou a contratação da Super Cesta Básica de Alimentos por dispensa de licitação porque precisava fazer compras de forma emergencial para atender aos indígenas. A contratação direta, sem a necessidade de um processo em que empresas interessadas apresentam suas propostas, é autorizado por lei nos casos de emergência ou de calamidade pública.

“A informação é que havia suspeitas contra ela, mas aí eu pedi as certidões. Se ela mandou as certidões, para nós, ela fica regular”, justificou ele.

O jurista Marçal Justen Filho, especialista em Direito Administrativo, avalia que a mera entrega de certidões por parte de uma empresa sob suspeita não obriga o governo a efetivar a contratação.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

A disputa entre civis e militares pela coordenação da segurança de Lula ficou mais acirrada nos últimos dias
Presidente do PT, a deputada Gleisi Hoffmann vem enfrentando desgaste com a bancada do partido na Câmara por defender posições mais à esquerda e que por vezes colidem com a pauta econômica do governo Lula
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play