Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Vai para a Copa do Catar? Cientistas pedem restrição no contato com camelos, pelo risco à saúde; entenda

Os camelos, animais símbolo do Oriente Médio, são conhecidos pela comunidade científica por serem um reservatório do vírus MERS, um tipo de coronavírus responsável por causar a Síndrome Respiratória do Oriente Médio.

Um trio de cientistas da Universidade de John Hopkins, nos Estados Unidos, da Universidade de Marseille, na França, e do Centro Colaborador para a Saúde do Viajante da Organização Mundial da Saúde (OMS), na Suíça, publicou um artigo na revista científica New Microbes and New Infections sobre riscos de contaminação associados à Copa do Mundo, no Catar.

Entre eles, um alerta para que pessoas com maior risco de agravamento de saúde, como aquelas com doenças crônicas e imunossuprimidas, evitem o contato com camelos, alimentos derivados do animal ou comidas que não tenham sido devidamente cozidas. Isso devido à possibilidade de contaminação com a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), também causada por um coronavírus.

“A MERS-CoV causou vários surtos hospitalares na Arábia Saudita e causou um número limitado de casos no Catar e o padrão foi esporádico. Dados epidemiológicos do Catar mostraram a ocorrência de 28 casos de MERS (incidência de 1,7 por 1.000.000 habitantes) e a maioria dos casos tinha histórico de contato com camelos. Assim, as pessoas com maior risco de desenvolver doença grave são aconselhados a evitar o contato com camelos dromedários, beber leite de camelo cru ou urina de camelo, ou comer carne que não foi devidamente cozida”, escrevem os cientistas.

A MERS foi identificada pela primeira vez na Arábia Saudita em 2012, e desde então provocou quase mil mortes em 27 lugares. A maioria dos diagnósticos são concentrados no país em que foi detectada, mas como os camelos são reservatórios do vírus, os pesquisadores alertam para a possibilidade que a dimensão do evento favoreça o contato dos animais com pessoas mais suscetíveis à infecção.

Risco de epidemias

Além do alerta sobre o MERS, o artigo destaca os riscos do evento, que estima um total de 1,2 milhão de visitantes, no momento em que duas emergências internacionais de saúde estão ocorrendo simultaneamente: a covid e a varíola dos macacos.

“Os riscos de doenças infecciosas associados à Copa do Mundo da FIFA 2022 este ano no Catar são dominados pela preocupação global com a pandemia de covid em andamento com emergência de novas variantes e a ameaça de fuga da (proteção) da vacina e a ocorrência de surtos de varíola dos macacos em vários países. Embora nos últimos meses a trajetória dos casos de varíola símia aponta para números decrescentes, esse risco ainda é um desafio significativo no contexto de um futebol Copa do Mundo e possíveis encontros sexuais”, relatam os pesquisadores.

Eles destacam, no entanto, que o Ministério da Saúde do país-sede está preparado para lidar com as ocorrências e recomendam que os viajantes estejam em dia com a vacinação, ressaltando que, embora o risco seja menor, há ainda a possibilidade de disseminação de outras doenças, como sarampo e hepatite A e B.

“Para mitigar os riscos mencionados, os visitantes do torneio devem estar em dia com suas vacinas de rotina e observar as regras de segurança de consumo de alimentos e bebidas”, escreveram.

Um alerta semelhante, sobre os mesmos problemas de saúde, foi feito recentemente pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças Europeu (ECDC). Além de ressaltar a importância da vacina, inclusive contra a gripe, o órgão destacou medidas de higiene que podem evitar a contaminação.

“Recomenda-se a adoção de medidas de higiene padrão, incluindo lavagem regular das mãos com sabão,beber água segura (engarrafada, clorada ou fervida antes do consumo); comer alimentos bem cozidos e lavar cuidadosamente frutas e legumes com água potável antes do consumo; e ficar em casa ou em um quarto de hotel quando estiver doente”, diz o Relatório de Ameaças de Doenças Transmissíveis do centro.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Copa do Mundo 22

Após repercussão, brasileiro que aparece em vídeo ofendendo Gilberto Gil no Catar diz se “solidariza”’ com cantor
Neymar agradece homenagem de Vinícius Júnior no gol anulado: “Pena que não valeu”
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play