Quinta-feira, 25 de abril de 2024

Vana Lopes, ativista e 1ª a denunciar Roger Abdelmassih, morre em SP

A ativista e estilista Vana Lopes, a primeira vítima a denunciar Roger Abdelmassih, ex-médico condenado a 278 anos de prisão pelos crimes de estupro e atentado violento ao pudor contra pacientes – com sentença reduzida para 173 anos, morreu na madrugada deste sábado (28), aos 62 anos, em São Paulo. Ela sofria de um câncer de mama em estágio avançado.

A informação foi confirmada por Maria do Carmo Santos, presidente do grupo Vítimas Unidas, criado por Vana com um grupo de mulheres abusadas por Abdelmassih.

Segundo Maria do Carmo, Vana teve um câncer de mama há cerca de 4 anos. “Por mais que a gente soubesse, ela foi uma guerreira nessa última luta dela, trabalhou até o final, mas foi dada a hora. Ela deixa um legado, a partir da denúncia dela contra o Roger que a palavra da mulher ganhou importância porque não havia provas concretas, mas havia um conjunto de mulheres que contavam a mesma história”, afirmou.

“Ela reuniu um conjunto de pessoas ao redor dela que vão continuar a sua luta. Ela lutou até seu último minuto. Ela deixa um legado e um monte de filhos ativistas. A luta pelas mulheres vítimas fica um pouco menor, mas vamos seguir”, continuou.

Vana vivia em Portugal com o marido. Ela voltou ao Brasil nos últimos dias por conta de uma possibilidade de tratamento. Na noite de ontem, Vana teve duas convulsões e entrou em parada cardíaca. Ela deixa uma filha, uma neta e uma bisneta. Os detalhes sobre o velório e enterro ainda não foram divulgados.

Primeira denunciante

Vana foi a primeira vítima a denunciar Roger Abdelmassih. Ela fazia tratamento de fertilização in vitro na tentativa de engravidar quando foi violentada pelo ex-médico, em 1993. Na época, a vítima foi até a delegacia denunciar Abdelmassih, ela foi encaminhada para fazer exame de corpo de delito e depois foi até o Conselho Regional de Medicina.

Abdelmassih foi indiciado em junho de 2009 por estupro e atentado violento ao pudor contra 39 pacientes. Ele chegou a ficar preso de 17 de agosto a 24 de dezembro de 2009, mas recebeu do Supremo Tribunal Federal (STF) o direito de responder o processo em liberdade. O habeas corpus foi revogado pela Justiça em janeiro de 2011, quando ex-médico tentou renovar seu passaporte, o que sugeria a possibilidade de que ele tentaria sair do Brasil. Como a prisão foi decretada e ele deixou de se apresentar, passou a ser procurado pela polícia.

Em 2011, Vana criou a página “Vítimas Unidas” que coletava informações sobre novas vítimas de Roger e sobre o possível paradeiro dele. Em agosto de 2014, Abdelmassih foi preso em Assunção, capital do Paraguai.

Prisão

No dia da prisão, Vana e outras vítimas esperaram pela chegada do ex-médico no Aeroporto de Congonhas para mostrar que elas “têm rosto”. Em 2015, Vana teve sua história escrita pelos jornalistas Claudio Tognolli e Malu Magalhães no livro “Bem-vindo ao inferno — A história de Vana Lopes, a vítima que caçou o médico estuprador Roger Abdelmassih”.

“É com grande pesar que o Grupo Vítimas Unidas lamenta a morte de sua fundadora e ativista Vana Lopes, que nos deixou na madrugada deste sábado (28). Ela, que tanto fez por centenas de vítimas de crimes hediondos no Brasil, descobriu um câncer de mama há quatro anos e enfrentava bravamente esta doença terrível. Em toda sua trajetória, Vana lutou para punir seu abusador, o ex-médico Roger Abdelmassih, e trabalhou para que outros criminosos hediondos também fossem condenados por seus atos”, disse o grupo Vítimas Unidas em nota.

“Recentemente, em seus últimos meses de vida, ela continuou a luta pelo projeto de Lei do Estatuto da Vítima (PL 3890/20) que tem o intuito de humanizar, educar e evitar a revitimização de pessoas vulneradas em seus direitos”, completou

Roger Abdelmassih

Roger Abdelmassih está preso na Penitenciária 2 de Tremembé, em São Paulo. Abdelmassih, que era considerado um dos principais especialistas em reprodução humana no Brasil, foi condenado a prisão em novembro de 2010. Abdelmassih não foi preso logo após ter sido condenado porque um habeas corpus do Superior Tribunal de Justiça (STJ) dava a ele o direito de responder em liberdade.

O habeas corpus foi revogado pela Justiça em janeiro de 2011, quando ex-médico tentou renovar seu passaporte, o que sugeria a possibilidade de que ele tentaria sair do Brasil. Como a prisão foi decretada e ele deixou de se apresentar, passou a ser procurado pela polícia até ser preso em 2014 no Paraguai.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Santa Maria terá memorial em homenagem às vítimas da Boate Kiss
Polícia Rodoviária Federal recupera carro furtado e prende casal em Barra do Ribeiro
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play