Terça-feira, 25 de junho de 2024

Veículos elétricos vão ficar mais caros no Brasil após o governo aumentar as tarifas de importação visando a produção desses carros em território nacional

Em uma medida voltada para impulsionar a indústria nacional, o governo brasileiro anunciou um aumento nas tarifas de importação sobre veículos elétricos e híbridos. A decisão, que reverte a política de tarifa zero para elétricos em vigor desde 2015, visa promover a produção local e incentivar a descarbonização do setor automotivo.

A partir de janeiro do próximo ano, os veículos elétricos ou híbridos importados passarão a pagar tarifas entre 10% e 12%. Essas alíquotas serão gradualmente elevadas, atingindo 35% em 2026.

As porcentagens de retomada progressiva de tributação variarão de acordo com os níveis de eletrificação, os processos de produção de cada modelo e a produção nacional.

* Para carros híbridos, a alíquota começará em 12% em janeiro de 2024, aumentando para 35% em julho de 2026.

* Já os híbridos plug-in enfrentarão alíquotas de 12% a 35% no mesmo período.

* Os veículos elétricos terão alíquotas iniciais de 10%, chegando a 35% em julho de 2026.

O Ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, destacou a importância de estimular a indústria nacional em direção a tecnologias que promovam a descarbonização.

“O Brasil é um dos principais mercados automobilísticos do mundo. Temos de estimular a indústria nacional em direção a todas as rotas tecnológicas que promovam a descarbonização”, afirmou o ministro em nota oficial.

Empresas terão até 30 de junho de 2026 para continuar importando com isenção, dentro de cotas estabelecidas por modelo.

* As cotas para híbridos variarão de US$ 130 milhões até junho de 2024, US$ 97 milhões até julho de 2025 e US$ 43 milhões até 30 de junho de 2026.

* Híbridos plug-in terão cotas de US$ 226 milhões, US$ 169 milhões e US$ 75 milhões nas mesmas datas.

* Já para veículos elétricos, as cotas serão de US$ 283 milhões, US$ 226 milhões e US$ 141 milhões, respectivamente.

De acordo com fontes oficiais, a política de tarifa zero funcionava como um “subsídio” para consumidores de alta renda, que adquirem veículos elétricos importados.

Os dez carros elétricos ou híbridos mais vendidos no Brasil, incluindo modelos como o Porsche Cayenne e o Volvo XC60, têm preços finais de venda na faixa de R$ 230 mil a R$ 630 mil.

Com o aumento das tarifas, espera-se uma mudança nesse cenário, impactando positivamente a produção local.

O governo identifica que a China tem despejado uma parte significativa de seus veículos elétricos e híbridos em outros países, incluindo o Brasil.

Com recursos orçamentários limitados para incentivos à produção nacional, o aumento das tarifas de importação é visto como uma estratégia para induzir as montadoras a investirem localmente.

A medida visa equilibrar a competição no mercado automotivo e impulsionar a transição para tecnologias mais sustentáveis.

À medida que as tarifas de importação aumentam, espera-se que as montadoras busquem soluções internas, contribuindo para a ascensão da produção nacional de veículos elétricos e híbridos no Brasil.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Bolsa ensino médio: estudantes terão poupança abastecida pelo governo, com custo de até R$ 4 bilhões
Décimo terceiro salário: quando é paga a primeira parcela? Como calcular o valor? Quem tem direito?
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play