Segunda-feira, 22 de julho de 2024

Argentina: extinguir o peso e substituí-lo pelo dólar é um plano radical para debelar a inflação de 114% em 12 meses; falta de divisas é um dos obstáculos

Uma das principais propostas do candidato de extrema direita Javier Milei, que foi o mais votado nas eleições primárias na Argentina, é dolarizar a economia do país. Isso significa substituir o peso pelo dólar como moeda oficial.

O objetivo é debelar a inflação, que passa de 100% em 12 meses. Milei ainda terá de vencer as eleições presidenciais de outubro para tirar a proposta do papel. Mas o que mudaria para os argentinos e para os brasileiros, caso a mudança seja implementada.

Veja abaixo:

1. O que significaria a dolarização da economia argentina? A moeda oficial passaria a ser o dólar. Na Argentina, hoje, é permitido ter conta de poupança em dólar e a divisa serve de referência, mas a moeda corrente é o peso. Por exemplo, imóveis são negociados em dólar, mas o pagamento tem que ser feito em pesos. Muitos poupam em dólares, seja em conta no banco ou em dinheiro, “embaixo do colchão”.

2. Os salários passariam a ser pagos em dólar? Sem o peso, o dólar passa a ser a moeda corrente para todas as transações, incluindo o pagamento de salários.

3. Os argentinos ficariam ricos com a economia dolarizada? Não, porque depende da taxa de câmbio na troca dos pesos por dólares. Quanto maior a taxa, menor o valor, em dólar, de salários e rendimentos.

4. O que mudaria com a dolarização formal? É esperado um tombo na inflação. E que a estabilidade de preços se mantenha, já que a inflação em dólar, geralmente, é baixa. Por outro lado, o país abre mão de algumas medidas de política econômica.

5. De quais medidas se abre mão com a dolarização? Sem moeda própria, o governo não poderia mais fixar a taxa básica de juros, passaria a seguir os juros do Fed, o banco central americano. Se algum problema doméstico provoca uma recessão, não seria possível baixar juros para aquecer a economia. Se o Fed sobe os juros por algum motivo doméstico dos EUA, a economia argentina vai esfriar, mesmo que esteja estagnada.

6. E no caso de crises internacionais? O país ficaria mais suscetível a choques externos. Uma alta nas cotações de matérias-primas negociadas em dólar, como o petróleo, pode afetar mais rapidamente a economia local.

7. Os serviços públicos, como saúde e educação, poderão ser afetados? Com títulos de dívida em dólar, o governo perde margem de manobra nas contas públicas. Se uma crise derruba a arrecadação, para não ficar com um rombo, cortes de gastos podem ser abruptos, afetando serviços essenciais.

8. Para o Brasil, o que muda se a Argentina dolarizar? Recessão e inflação descontrolada derrubam a demanda argentina. Se a dolarização estabilizar o vizinho, a demanda por bens e serviços brasileiros poderia aumentar ou parar de cair. Operacionalmente, a troca de moeda faria pouca diferença, pois as transações entre os dois países já são em dólar.

9. A Argentina ficaria mais barata para o turista brasileiro? O país tende a continuar sendo um destino barato. Depende da taxa de câmbio usada na troca, total do dinheiro em circulação, mas a tendência é que os preços em dólar sigam pelo menos tão baixos quanto atualmente.

10. Quais os obstáculos para a dolarização? Faltam dólares para substituir todos os pesos. Estimativas para o valor necessário, dependendo do câmbio, vão de US$ 35 bilhões a US$ 50 bilhões, mas o banco central tem reservas de US$ 7,3 bilhões, em termos brutos, diz a consultoria 1816. O valor fica negativo quando se descontam os passivos.

11. Como ficariam os bancos? Passariam a transacionar apenas com dólares, o que poderia ser um problema. Um fundo de reservas em dólar precisaria ser criado para lidar com eventuais problemas no sistema bancário, como foi feito no Equador e em El Salvador, que dolarizaram suas economias no início dos anos 2000. Não há casos de dolarização em economias de maior porte, como a argentina.

12. Como aprovar a dolarização? Exigiria aprovação no Congresso, mas Javier Milei dificilmente terá maioria. Para a consultoria 1816, se o resultado das primárias se repetir nas eleições, o partido de Milei teria 15% dos deputados federais e 11% dos senadores.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Namorado suspeito de matar médica achada dentro de mala é preso no interior de São Paulo
Candidato de centro-esquerda Bernardo Arévalo é eleito presidente da Guatemala
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play