Sábado, 22 de junho de 2024

Austríaco morre de covid após se infectar de propositalmente em festa na Itália

Um austríaco de 55 anos morreu de covid-19 após se infectar propositalmente com o coronavírus na Itália para obter um passaporte sanitário — as autoridades italianas adotam em alguns casos a infecção prévia como alternativa à vacina para acesso a determinados locais.

O alerta foi feito na semana passada por Patrick Franzoni, coordenador da unidade anti-covid de Bolzano, cidade italiana perto da fronteira com a Áustria. Em entrevista à emissora RAI, ele diz que pessoas, jovens e velhas, têm participado de “festas do coronavírus” para tentar se infectar propositalmente e, assim, não precisar se vacinar.

“Aqui, temos um menino que se recupera na unidade pediátrica e um morto de 55 anos que se infectou em uma ‘festa do corona’”, disse.

As vacinas aprovadas contra a covid-19 até agora têm altos graus de efetividade contra todas as formas da doença, especialmente as mais graves. Além disso, mesmo pessoas jovens e saudáveis podem contrair o coronavírus e desenvolver quadros sérios ou até morrer.

A vacinação se mostra ainda mais importante depois da descoberta da nova variante ômicron, muito prevalente na África do Sul, país que não tem bom percentual de vacinados.

Lockdown e reforço

A Áustria, país vizinho a Bolzano e de onde veio o homem morto pelo vírus, estabeleceu um novo lockdown e passará a obrigar os cidadãos a se vacinarem depois que uma nova onda da doença voltou a assustar o país — principalmente entre não vacinados.

Na Itália, onde a vacinação está em patamares melhores, as autoridades também impuseram novas medidas para incentivar a imunização daqueles que ainda não tomaram a vacina. De acordo com o governo italiano, a ideia é justamente evitar um novo lockdown neste inverno.

Suíça

Os suíços votaram “sim” neste domingo (28) à lei que permite a implantação do passaporte sanitário de covid-19 no país, em meio ao aumento da preocupação da Europa por conta da chegada da variante ômicron – ainda não identificada no país – e manifestações negacionistas.

De acordo com as primeiras estimativas publicadas no domingo pelo instituto de pesquisas gfs.bern, a lei obteve o apoio de 63% dos eleitores (com margem de erro de 3%).

Como um sinal de tensões incomuns na Suíça, a polícia bloqueou a praça em frente à sede do governo e do parlamento em Berna no domingo, em antecipação às manifestações.

As pesquisas já previam que a população aceitaria a lei, mas opositores das vacinas e do passaporte de covid-19 organizaram inúmeras manifestações nas últimas semanas, às vezes proibidas e recheadas de violência.

O aumento das tensões na Suíça, país conhecido pela sua cultura de diálogo e onde se realizam referendos várias vezes ao ano, causou grande surpresa.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Mulher que pedia 50 mil reais para não divulgar fotos íntimas de homem na internet é presa em Santa Catarina
Mais países da Europa confirmam casos da variante ômicron do coronavírus
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play