Quarta-feira, 01 de dezembro de 2021

Avião que caiu com Marília Mendonça não tem caixa-preta

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) informou, na tarde deste sábado (6), que o avião que caiu matando a cantora e compositora Marília Mendonça e mais quatro pessoas não tem caixa-preta.

Segundo o órgão, na aeronave foi encontrado um spot geolocalizador para ser confrontado com o plano de voo. Essa é umas evidências que poderá ajudar a entender as causas do acidente que aconteceu na tarde de sexta-feira (5) em Caratinga, no interior de Minas Gerais.

Ainda de acordo com o Cenipa, todas as evidências que podem ser usadas na investigação já foram retiradas da aeronave e que os peritos não vão mais entrar no avião. Agora, o órgão aguarda a remoção dos destroços, que deve ser feita pela PEC Táxi Aéreo para que outra parte da perícia aconteça.

O avião deve ser retirado do local neste domingo (7) e levado para o aeroporto em que deveria ter pousado, na cidade de Ubaporanga, que fica a cerca de 2km do local do acidente.

Relatos

Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o avião de Marília Mendonça estava com a documentação em dia e tinha autorização para fazer táxi aéreo.

Nos meses anteriores ao acidente, outros pilotos já haviam relatado aos órgãos aéreos da região que os fios elétricos atrapalhariam o pouso no aeródromo de Caratinga. São relatos chamados Notam (Notificação Aeronáutica), e que indicam dados sobre riscos e alertam outros pilotos que se dirigem à região sobre perigos para operar no local.

Uma testemunha do acidente, que também é piloto, relatou às autoridades que o avião da cantora teria perdido um dos dois motores após colidir contra os fios, e o impacto fez com que a aeronave perdesse sustentação.

Para confirmar os fatores que podem ter contribuído para o acidente, a FAB terá de tomar as seguintes ações:

— fazer uma perícia nos destroços do avião;
— ouvir testemunhas da decolagem e pouso;
— recuperar documentos, dados de inspeções técnicas e de manutenção;
— e checar a qualidade do combustível usado na operação.

Em nota, a Aeronáutica informou que “investigadores do Terceiro Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA 3), localizado no Rio de Janeiro (RJ), órgão regional do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA)” foram deslocados para o local da tragédia para apurar o acidente.

As causas do acidente serão apuradas. Peritos foram enviados ao local pela Aeronáutica e pela Polícia Civil de Minas Gerais.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Sérgio Moro usa slogan exatamente igual ao de Lula para anunciar entrada na política
Ministério Público do Trabalho recomenda exigir comprovante de vacinação no local de serviço
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play