Domingo, 21 de abril de 2024

Boeing vai aposentar o clássico jumbo 747; modelo famoso transformou viagens aéreas

O revolucionário jumbo 747 vai se aposentar. O último jumbo Boeing comercial na versão cargueiro será entregue à Atlas Air na próxima terça-feira (31). Há 53 anos, o jato de passageiros chamou a atenção do mundo com uma silhueta “corcunda”, pela companhia aérea Pan Am.

“No chão é imponente, é imponente. “E no ar é surpreendentemente ágil”, disse Bruce Dickinson, vocalista do Iron Maiden, que pilotou um 747 especialmente apelidado de “Ed Force One” em 2016, durante a turnê da banda britânica de heavy metal. Projetado no final da década de 1960 para atender à demanda por viagens em massa, o modelo foi o primeiro jato de corredor duplo do mundo, um “luxo” nas nuvens.

Mas foi entre a classe média que a então novidade transformou as viagens.

“Este foi o avião que introduziu o voo para a classe média nos EUA”, disse o CEO da Air France-KLM, Ben Smith. “Antes do 747, uma família de classe média não podia voar dos Estados Unidos para a Europa de forma acessível”, disse Smith à Reuters.

O jumbo também deixou sua marca nos assuntos globais, simbolizando a guerra e a paz. Esteve presente em momentos que vão desde o posto de comando nuclear do “Avião do Juízo Final” americano até visitas papais, em fretados apelidados de Shepherd One.

Agora, dois 747 entregues anteriormente estão sendo adaptados para substituir os jatos presidenciais dos Estados Unidos, conhecidos globalmente como Força Aérea Um.

Como comissária de bordo da Pan Am, Linda Freier atendeu passageiros que iam desde Michael Jackson até Madre Teresa. “Era uma diversidade incrível de passageiros. Pessoas “bem vestidas”, e outras que tinham muito pouco e gastaram tudo naquela passagem”, disse Freier.

Modelo fez quantidade de passageiros dobrar

O primeiro 747 decolou de Nova York em 22 de janeiro de 1970, após um atraso devido a uma falha no motor. Com ele, mais do que dobrou a capacidade do avião, que passou para 350-400 assentos. “Era a aeronave para o povo, aquela que realmente oferecia a capacidade de ser um mercado de massa”, disse o historiador da aviação Max Kingsley-Jones.

“Foi transformador em todos os aspectos da indústria”, acrescentou o consultor sênior da Ascend by Cirium.

História do 747

A história da aeronave tem suas curiosidades. O fundador da Pan Am, Juan Trippe, queria cortar custos – e, para isso, aumentar o número de assentos das aeronaves. Em uma viagem de pesca, ele desafiou o presidente da Boeing, William Allen, a fazer algo que superasse o 707.

Allen colocou o lendário engenheiro Joe Sutter no comando. Levou apenas 28 meses para a equipe de Sutter, conhecida como “os Incríveis”, desenvolver o 747 antes do primeiro voo, em 9 de fevereiro de 1969.

Mas o começo não teve tanto glamour. Os primeiros anos do 747 foram repletos de problemas e os custos de desenvolvimento de US$ 1 bilhão quase levaram a Boeing à falência. Na época, acreditava-se que o futuro das vagens aéreas estava nos jatos supersônicos.

Auge em 1989

Depois de uma queda durante a crise do petróleo da década de 1970, o auge do avião chegou em 1989, quando a Boeing lançou o 747-400 com novos motores e materiais mais leves, tornando-o perfeito para atender à crescente demanda por voos mais longos.

“O 747 é o avião mais bonito e fácil de pousar… é como pousar em uma poltrona”, disse Dickinson, que também preside a empresa de manutenção de aviação Caerdav.

Modelos mais eficientes

A mesma onda de inovação que fez o 747 decolar significou o seu fim. Os avanços permitiram que os jatos bimotores replicassem o alcance e a capacidade, com um custo menor. No entanto, o 777X, definido para ocupar o lugar do 747 no topo do mercado de jatos, não estará pronto até pelo menos 2025, após atrasos.

“Em termos de tecnologia impressionante, grande capacidade, grande economia… (o 777X) infelizmente faz o 747 parecer obsoleto”, disse o diretor administrativo da AeroDynamic Advisory, Richard Aboulafia. No entanto, a versão mais recente do 747-8 está definida para enfeitar os céus por anos, principalmente como um cargueiro, tendo superado a produção do jato de passageiros A380 de dois andares da Airbus europeia.

A entrega final do 747 desta semana deixa dúvidas sobre o futuro da Boeing, que lida com os efeitos da pandemia de covid-19 e com uma crise de segurança do 737 Max.

O presidente-executivo Dave Calhoun disse que a Boeing pode não projetar um novo avião por pelo menos uma década. “Foi uma das maravilhas da era industrial moderna”, disse Aboulafia, “mas esta não é uma era de maravilhas, é uma era de economia.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Comitê ajudará na proteção de dados de usuários do Governo Digital
Senado conclui primeira restauração de obras danificadas nos atos extremistas
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play