Sábado, 13 de abril de 2024

Bolsonaro e generais calados, Valdemar e Torres falando: saiba como foram os 23 depoimentos simultâneos à PF

Em depoimento à Polícia Federal na quinta-feira (22), o ex-presidente Jair Bolsonaro ficou em silêncio diante dos investigadores, enquanto o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, e o ex-ministro da Defesa Anderson Torres responderam às perguntas.

Todos são investigados por tentativa de golpe de Estado. Eles prestaram depoimento na sede da PF, em Brasília.

A informação de que o ex-presidente ficou em silêncio foi divulgada pelo advogado Fabio Wajngarten. Bolsonaro ficou menos de meia hora na sede da PF. Em entrevista, Wajngarten disse que o ex-presidente “nunca foi simpático a qualquer tipo de movimento golpista”.

“Esse silêncio [no depoimento] quero deixar claro que não é simplesmente o uso do exercício constitucional do silêncio, mas uma estratégia baseada no fato de que a defesa não teve acesso a todos os elementos por quais está sendo imputada ao presidente a prática de certos delitos”, afirmou o advogado.

Wajngarten disse que a falta de acesso à delação de Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, e a mídias obtidas em celulares apreendidos de investigados “impedem que a defesa tenha um mínimo de conhecimento de por quais elementos o presidente é hoje convocado ao depoimento”.

Em nota, a defesa do ex-presidente disse ainda que Bolsonaro não abre mão de prestar depoimento, o que fará assim que “seja garantido o acesso” solicitado.

“Não sendo demais lembrar que jamais se furtou ao comparecimento perante a autoridade policial quando intimado”, diz o comunicado.

Os advogados de Bolsonaro pediram duas vezes acesso aos autos depois que foi deflagrada a operação Tempus Veritatis, em 8 de fevereiro. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes liberou o acesso aos mandados no segundo pedido.

Os advogados do ex-presidente pediram, então, acesso às mídias digitais, como telefones, computadores e a delação do ex-ajudante ordens de Bolsonaro, Mauro Cid, mas o magistrado não autorizou.

Valdemar e Torres
A defesa de Valdemar Costa Neto também divulgou uma nota em que confirmou a conversa com os investigadores.

“Respondeu todas as perguntas que lhe foram feitas. A defesa não fará qualquer comentário sobre as investigações”, diz um dos trechos do comunicado.

No caso do ex-ministro da Defesa, o advogado informou que ele respondeu a todas as perguntas formuladas com “serenidade”.

“Anderson Torres esclareceu todas as dúvidas em relação aos fatos investigados e reafirma sua disposição para cooperar com as investigações. O ex-ministro acredita na Justiça e confia nas instituições brasileiras”, diz documento enviado pela defesa.

De acordo com as apurações da PF, um grupo, do qual fazia parte o presidente Jair Bolsonaro, militares e políticos, se articulou para deslegitimar as instituições com informações falsas e reverter o resultado das eleições de 2022, impedindo a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Outros investigados
Também ficaram calados no depoimento os seguintes investigados:

Augusto Heleno (general e ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional)
Mario Fernandes (ex-ministro substituto da Secretaria-Geral da Presidência)
Almir Garnier (ex-comandante geral da Marinha)
Paulo Sérgio Nogueira (ex-ministro da Defesa)
Braga Netto (ex-ministro e ex-candidato a vice na chapa de Bolsonaro)
Ronald Ferreira Junior (oficial do Exército)

Além de Torres e de Valdemar, decidiram falar no depoimento:

Tercio Arnaud (ex-assessor de Bolsonaro)
Bernardo Romão Correia Neto (coronel do Exército)
Cleverson Ney Magalhães (coronel do Exército)

Também foram marcados depoimentos em outras regiões do País, além de Brasília:

Rio de Janeiro: Hélio Ferreira Lima, ⁠Sérgio Ricardo Cavaliere de Medeiros, ⁠Ailton Gonçalves Moraes de Barros e ⁠Rafael Martins Oliveira;
São Paulo: Amauri Feres Saad e ⁠José Eduardo de Oliveira;
Paraná: Filipe Garcia Martins;
Minas Gerais: Éder Balbino;
Mato Grosso do Sul: Laércio Virgílio;
Espírito Santo: Ângelo Martins Denicoli;
Ceará: Estevam Theophilo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Advogado e ex-secretário de Comunicação de Bolsonaro diz que são esperadas 700 mil pessoas no ato convocado na Avenida Paulista neste domingo
Sindicância conclui que não houve racismo em prisão de motoboy negro em Porto Alegre
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play