Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Brasil termina o ano com índices preocupantes de cobertura vacinal infantil; 2023 é visto como desafio

Desde 2015, o Brasil apresenta quedas frequentes na cobertura vacinal de crianças e adolescentes. Em 2022, a dimensão do problema virou uma preocupação mais evidente, principalmente após a OMS (Organização Mundial de Saúde) colocar o País entre os de maior risco para a volta da poliomielite e a Fiocruz (Fundação Osvaldo Cruz) alertar que o único imunizante com cobertura vacinal ideal por aqui é o BCG, contra a tuberculose.

No entanto, saber do problema não fez com que aumentasse efetivamento o percentual de brasileiros totalmente vacinados. De acordo com dados do DataSUS (Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde), até o dia 20 de dezembro de 2022, 60,56 % da população haviam completado o esquema vacinal com todos os imunizantes oferecidos pelo PNI (Programa Nacional de Imunizações).

Em 2019, esse índice foi de 60,89%. A justificativa para chegarmos aos menores índices da história foi a pandemia e o isolamento social. Todavia, desde março desse ano as regras de isolamento foram relaxadas e, por enquanto, o número segue praticamente no mesmo patamar de 2019.

O PNI oferece vacinas contra 20 doenças, em 38 mil salas de vacinação espalhadas pelo País. Para especialistas ouvidos, os motivos dessa queda de cobertura não se restringem à pandemia.

“Não foi só a pandemia a responsável pela queda das coberturas vacinais. Tivemos também a desinformação, que levaram ao questionamento sobre a importância e a segurança das vacinas. A falta de campanhas promovidas pelos gestores da saúde também influencia”, afirma a infectologista Raquel Stucchi.

Para Renato Kfouri, diretor da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações) e da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), o tamanho do país faz com que as causas para o problema sejam distintas.

“As razões que fazem alguém não se vacinar numa grande metrópole não são as mesmas que alguém da população ribeirinha do Amazonas ou do interior do Piauí. Os motivos são diversos: desde questões de acesso, dificuldade de horário de funcionamento, as questões de custo de transporte, desabastecimento [de vacinas], fake news dizendo que as vacinas fazem mal.”

O número considerado ideal pelo Ministério da Saúde e OMS varia de acordo com cada imunizante, mas são esperadas coberturas acima dos 85% para evitar que as doenças circulem.

O Brasil foi considerado modelo de vacinação no mundo por mais de uma década, e os médicos acreditam que seja possível voltar ao patamar perdido nos últimos anos. “Reverter não é tarefa fácil, sem dúvida, mas é preciso um grande esforço, e primeiros passos precisam ser dados”, alerta Kfouri.

“Tem de ser um trabalho prioritário do próximo governo, recuperar a confiança da população na vacinação, no nosso Programa Nacional de Imunizações. Com isso, voltaremos a ser um exemplo de adesão à vacinação para o mundo, todo como já fomos”, acrescenta Raquel.

Entre as ações apontadas para reverter essa situação já em 2023 estão realização de campanhas de conscientização e comunicação por parte das autoridades de saúde, investimento em capacitação, distribuição e pessoal para trabalhar em horários alternativos e a criação de mutirões de vacinação.

Para o infectologista as campanhas devem ser para os pais e para os profissionais de saúde. “É necessário continuar motivando as pessoas a se vacinarem, para que elas não se sintam ameaçadas. Esse é um grande desafio e até os próprios profissionais da saúde que já não mais tratam dessas doenças, já não lidam mais com esses casos e acabam recomendando de uma maneira menos enfática”, orienta Kfouri.

“A preocupação e o planejamento de ação do próximo governo deve começar agora. A comunicação precisa ser eficiente, numa linguagem fácil, com foco nos benefícios para a população e a importância de todos estarem vacinados”, conclui Raquel.

Todo o esforço vale a pena sob ponto de vista humano e financeiro. De acordo com estimativas da OMS, de 2020, as vacinas evitam quatro mortes no mundo por minuto e geram uma economia equivalente a R$ 250 milhões por dia.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

INSS começa a pagar pensões e aposentadorias com reajuste em 25 de janeiro
Reunião para planejamento dos serviços públicos no Réveillon em Porto Alegre ocorre nesta segunda-feira
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play