Terça-feira, 21 de maio de 2024

BRDE disponibiliza adiamento de dívidas para empresas atingidas pelas enchentes

Para auxiliar na retomada das atividades e atenuar os prejuízos com as enchentes que desde o início da semana afetam o Rio Grande do Sul, em especial as regiões do Vale do Taquari e a Serra, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) irá suspender por um ano o pagamento de empréstimos para empresas cujos negócios foram prejudicados pelas cheias.

Além do congelamento temporário das dívidas com a repactuação de contratos (acordo conhecido como standstill), o banco está buscando viabilizar linhas de crédito emergencial para a retomada das atividades econômicas.

As medidas foram anunciadas nesta quarta-feira (6) pelo vice-presidente e diretor de Operações do banco, Ranolfo Vieira Júnior, e pelo diretor de Planejamento, Leonardo Busatto, após reunião com os demais integrantes de diretoria.

“Somos solidários às famílias que tiveram vítimas nesta que já é considerada a maior tragédia natural do Estado. Ainda é hora de resgatar pessoas ilhadas e socorrer quem perdeu quase tudo, mas cabe ao BRDE auxiliar na recuperação das atividades nas indústrias, nas cooperativas e no comércio”, destacou Ranolfo.

Conforme Busatto, o BRDE já está buscando alinhar com os demais parceiros, em especial o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a possibilidade de disponibilizar linhas emergências para aquisição de máquinas, obras físicas e capital de giro.

“Todo o esforço será no sentido de apoiarmos as empresas nessa retomada sempre difícil. O Vale do Taquari e a Serra são duas regiões que concentram importantes clientes do banco, de diferentes segmentos, fundamentais para a economia local”, observou.

Além de provocar dezenas de mortes, as enchentes deixaram cidades inteiras sem comunicação, além de empresas e residências submersas.

Prevenção

Em termos de prevenção a desastres naturais, o BRDE tem à disposição das prefeituras o programa Sul Resiliente, com recursos captados junto ao Banco Mundial. O programa é direcionado a projetos de qualificação da infraestrutura dos municípios para atenuar impactos de desastres naturais e riscos relacionados ao clima, como inundações e deslizamento.

Além de investir em obras para evitar desastre naturais e eventos climáticos, os municípios poderão utilizar o dinheiro para a elaboração de projetos executivos, como mapeamento de risco e planos de contingência, treinamento de servidores municipais ou aquisição de sistemas e equipamentos para monitoramento de risco.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Porto Alegre segue com a cesta básica mais cara do País em agosto, aponta Dieese
Ministro da Justiça diz que a decisão de anular provas da Operação Lava-Jato é “reparação histórica”
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play