Quinta-feira, 25 de abril de 2024

Cientistas rebatem afirmação de que o núcleo da Terra está parando

Na semana que passou, uma notícia circulou pela internet — com algumas manchetes sensacionalistas — e causou certo alvoroço: o núcleo do nosso planeta estaria parando de girar, e até mesmo poderia girar ao contrário. Mas será que isso é verdade? Bem, nem todos os cientistas validam a ideia.

O novo estudo foi realizado por Xiaodong Song e Yi Yang, pesquisadores da Universidade Peking, na China. “Este é um estudo muito cuidadoso de excelentes cientistas que colocam muitos dados”, disse o sismólogo John Vidale, da Universidade do Sul da Califórnia, que não participou da pesquisa.

Entretanto, “nenhum dos modelos explica todos os dados muito bem, na minha opinião”, completou Vidale. Outros pesquisadores compartilham dessa cautela, colocando “um pé atrás” antes de fazer qualquer afinação definitiva sobre o assunto.

Núcleo 

O núcleo do nosso planeta é dividido em duas partes, interno e externo. O lado mais interno é uma bola sólida formada principalmente de ferro, cercada pela parte externa, que também compartilha da composição ferrosa e alguns outros elementos.

Devido à natureza líquida do núcleo externo, a esfera sólida pode se mover em velocidade diferente à do manto da Terra — a terceira camada do planeta, sobre a qual está a crosta terrestre.

As descobertas sobre existência e a rotação do núcleo sólido são recentes. Para medir a velocidade da bola de ferro, os pesquisadores usam dados das ondas sísmicas, aproveitando eventos como os terremotos.

Em 1936, os pesquisadores descobriram a existência de um núcleo sólido, que teria cerca de 7 mil quilômetros de diâmetro. À medida que o ferro do núcleo externo cristaliza na superfície do núcleo interno, a densidade do líquido externo é alterada, gerando movimentos do dínamo que mantêm o campo magnético da Terra.

Quanto à velocidade da rotação no núcleo interno, os cientistas afirmam que, desde a década de 1960, o tempo de viagem das ondas sísmicas geradas pelos terremotos mudou. Isso sugere que o núcleo interno gira mais rápido que o manto do planeta, fenômeno que os pesquisadores chamam de “super-rotação”.

Simplificando, o planeta gira cerca de 360 ​​graus em um dia, enquanto o núcleo interno, em média, gira cerca de 1 grau por ano mais rápido que o restante da Terra.

Mas a velocidade do núcleo muda?

Aqui é onde as coisas começam a ficar mais confusas, já que nem todos os cientistas concordam com a taxa de rotação calculada — que resultaria em um “desvio” de mais de 10 km a cada ano. Para esses pesquisadores, a velocidade não é contínua e pode mudar em determinados períodos.

Segundo alguns trabalhos, a super-rotação ocorre em algumas épocas, como no início dos anos 2000. Outros, apontam que a super-rotação não existe e que as diferenças nos tempos de viagem das ondas sísmicas são causadas por mudanças físicas na superfície do núcleo interno.

Agora, o novo estudo de Song e Yang usaram dados sísmicos da década de 1990 e descobriram que, antes de 2009, as ondas sísmicas geradas por sequências e pares de terremotos repetidos viajavam em taxas diferentes através do núcleo interno. Isso levou à conclusão de que o núcleo interno estava girando em um ritmo diferente do resto da Terra.

Mas por volta de 2009, as diferenças nos tempos de viagem desapareceram, ou seja, o núcleo interno parou de girar em relação ao manto e à crosta. Em outras palavras, a rotação tinha a mesma velocidade da rotação do planeta.

Depois de 2009, essas diferenças das ondas sísmicas retornaram, mas indicavam que agora o núcleo estava girando na “direção oposta” em relação ao resto da Terra. Mas é preciso cautela com essa afirmação: ela não significa que o núcleo está girando ao contrário, e sim mais lentamente que o planeta.

A rotação do núcleo mudará de direção?

Não! Essa é uma confusão causada por notícias que interpretaram mal o linguajar dos cientistas, e não há vilões nessa história. Às vezes, os pesquisadores utilizam termos que, entre eles, funcionam, mas não para o público leigo. Esse foi o caso da notícia sobre o núcleo “girando na direção oposta”.

Imagine dois carros em uma corrida e você está dentro do carro A. Quando este veículo está mais devagar, você obviamente verá o carro B se movendo à sua frente. Se o carro A começar a correr mais rápido e ultrapassar o rival, na sua perspectiva será como se o carro B estivesse andando para trás, no sentido oposto ao seu.

É isso o que os cientistas querem dizer com “rotação na direção oposta”. O núcleo não pode — e nem irá — mudar o sentido, como se trocássemos a direção de um ponteiro de relógio da direita-esquerda para esquerda-direita.

Embora algumas notícias afirmem que a bola de ferro sólida mudará de sentido, temos que ter em mente que é a nossa perspectiva, como habitantes da crosta, que está em jogo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Aluguel de mansões em Brasília pode chegar a 90 mil reais
Preta Gil fala sobre saúde após início de tratamento de câncer no intestino
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play