Sábado, 02 de março de 2024

Com avanço da vacinação, covid deixou neste ano de ser a doença que mais mata no Brasil

Um cruzamento de dados entre o Portal de Transparência do Registro Civil, administrado pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que o número de mortes por covid está cerca de 14% maior que os primeiros 10 meses de 2019, período da pré-pandemia. No entanto, o aumento da vacinação e a redução da taxa de transmissão do vírus tiraram a covid do topo do ranking de mortes por doenças no país, registrando até agora uma queda de 88% em relação ao ano passado.

Mas o aumento de óbitos por outras doenças acende o sinal amarelo. Entre janeiro e outubro deste ano foram registrados 1.241.779 de óbitos nos cartórios brasileiros. Uma das justificativas para a manutenção dos altos índices é que o país está passando pelos impactos posteriores ao coronavírus. Isso porque foi observado um aumento de mortes por doenças que são sequelas da covid.

Com um aumento de 0,85% entre janeiro e outubro de 2022, os números de casos de pneumonia passaram de 126.861 para 169.445 no mesmo período. Se comparado ao ano passado, o número fica 33,5% maior que o registrado naquele período.

Entre janeiro e outubro de 2022, a quantidade de mortes por covid teve queda de 97,5% em relação ao ano passado — foram 495.761 frente a 59.456 neste ano. Por outro lado, doenças, como: pneumonia, doenças do coração — AVC ou infarto —, septicemia — alta resposta do organismo que gera uma infecção generalizada no sangue, normalmente de bactérias — e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) tiveram crescimento diferenciado.

“Os números dos Cartórios de Registro Civil mostram mais uma vez, em tempo quase que real, o retrato fidedigno do que acontece com a população brasileira. Embora haja uma diminuição nos óbitos por covid, notamos crescimento de óbitos de outras doenças, como a pneumonia, doenças do coração e septicemia, que podem vir a ser consequências de sequelas da covid. A partir desses dados, é possível pensar em políticas de saúde pública e prevenção a essas doenças”, alertou Gustavo Renato Fiscarelli, presidente da Arpen-Brasil.

Enfraquecimento

O aumento de mortes por septicemia passou de 131.289 para 147.327 em um ano, o que significou um aumento de 12,2%. As duas doenças são consideradas sequelas do enfraquecimento do organismo causado pela covid-19. Entre janeiro e outubro deste ano, ainda, houve o crescimento de mortes por AVC, em 3,8%, e por infarto, em 2%. As enfermidades também estão relacionadas ao coronavírus.

Importante destacar que a SRAG, uma das principais causadoras de mortes a quem tratava a covid-19, continua em alta. Apesar do crescimento desproporcional da doença nos picos da pandemia (408%) e da queda vertiginosa que ocorreu, na comparação entre os 10 primeiros meses do ano passado, foram contabilizadas 6.596 mortes frente aos 1.298 registros feitos em 2019, no mesmo período.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Governo da Rússia diz que o país não cogita usar armas nucleares
Ucrânia e Rússia concordam em prorrogar acordo para exportação de cereais
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play