Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Com Jair Bolsonaro inelegível, os governadores de São Paulo e de Minas Gerais adotam estratégias diferentes em busca de cooptar o eleitor do ex-presidente já de olho no pleito de 2026

Protagonistas na disputa pelo espólio eleitoral do ex-presidente Jair Bolsonaro, envolvido em escândalos e investigações que escalaram nas últimas semanas, os governadores de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), e de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), intensificaram os movimentos para se cacifar à corrida ao Planalto em 2026. Para isso, passaram a adotar estratégias distintas: enquanto declarações recentes do chefe do Executivo paulista têm agradado os bolsonaristas classificados como moderados, o mineiro encontrou respaldo recentemente entre os mais radicais.

As constatações são amparadas em pesquisas qualitativas contínuas do Laboratório de Estudos da Mídia e Esfera Pública (Lemep), do Iesp/Uerj, que acompanham eleitores do ex-titular do Planalto. Os grupos são divididos entre aqueles que discordam das invasões do 8 de janeiro (moderados) e os que defendem os atos golpistas (convictos). Como em qualquer estudo qualitativo, os resultados da pesquisa não são suficientes para generalizar posicionamentos, mas oferecem algumas pistas de como esse eleitor pensa.

Desde que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tornou Bolsonaro inelegível, em junho, por ter disseminado informações falsas sobre o sistema eleitoral em reunião com embaixadores, Tarcísio e Zema passaram a ser os mais cotados para amealhar a direita em torno de uma candidatura presidencial. As estratégias, porém, vêm alcançando perfis diferentes de eleitores desse campo ideológico, de acordo com o levantamento.

Grupos distintos

Zema teve mais aprovação entre bolsonaristas convictos ao sair em defesa de interesses do consórcio dos estados do Sul e Sudeste (Cosud), em oposição aos do Nordeste. Na área do Cosud, Bolsonaro foi o mais votado em todos os estados, à exceção de Minas, onde o presidente Lula (PT) teve ligeira vantagem; no Nordeste, o cenário se inverte, com amplas vitórias do petista.

O governador mineiro, conforme o estudo, agradou à ala mais radical do bolsonarismo ao se referir ao Norte e ao Nordeste como “vaquinhas que produzem pouco”. Na ocasião, Zema defendia que os estados do Sul e do Sudeste deveriam ter maior peso no Conselho Federativo, criado pela Reforma Tributária para distribuir a arrecadação pelos estados. Já os bolsonaristas chamados moderados mostraram preocupação com o tom do comentário de Zema, classificado no grupo como “descabido” e xenofóbico.

Tarcísio, que também cobrou maior representação do Sul e do Sudeste no colegiado, adotou uma postura que contrastou com a de Zema nas discussões da Reforma. O governador de São Paulo, apesar das ressalvas, declarou ser favorável ao texto ao lado do ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), seu adversário na última eleição.

Os governadores mantêm diferenças na relação com Lula. Após os ataques do 8 de janeiro, Zema sugeriu que o governo federal havia feito “vista grossa” para se passar de “vítima”. Tarcísio, que hesitou em comparecer a uma reunião com Lula no dia seguinte aos ataques, acabou posando ao lado do presidente e defendendo parcerias, postura que se repetiu após deslizamentos no litoral de São Paulo em fevereiro.

Tarcísio, segundo o levantamento do Lemep, foi aprovado por bolsonaristas moderados e convictos em declarações sobre segurança pública, tema que mais apareceu em suas redes sociais no último mês, com 12 de 31 postagens no Facebook. Ele costuma registrar apreensões de drogas e prisões feitas pelas polícias do estado.

Após operações policiais que deixaram 18 mortos no litoral norte de São Paulo, bolsonaristas de diferentes matizes argumentaram que as ações foram “proporcionais” e “necessárias” no contexto da busca pela redução da criminalidade. Tarcísio elogiou a atuação da polícia, criticada por entidades após relatos de violações de direitos humanos. Parte dos policiais não usava câmeras corporais, equipamento que, num aceno aos mais moderados, Tarcísio decidiu manter em uso, apesar de cobranças de aliados radicais. O governador, contudo, não garantiu a aplicação a todo o efetivo da PM.

Pesquisadora do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) e estudiosa do bolsonarismo, Camila Rocha avalia que Tarcísio tenta transmitir a imagem de alguém que tensiona menos, em comparação a Bolsonaro.

“Tarcísio não pode romper bruscamente com o Bolsonaro para não perder posição no campo das direitas. Provavelmente, ele vai continuar dando sinalizações a esse eleitorado de um lado, mas com uma postura mais moderada do outro”, explicou.

Já os passos de Zema vão no sentido de ampliar o campo bolsonarista no Sul e Sudeste e de apostar em uma postura antissistema. Para Rocha, o risco é o de esbarrar em um cansaço presente no eleitorado, inclusive em parte dos que votaram em Bolsonaro.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Lula se torna o presidente que mais liberou emendas parlamentares em um único mês
Ministro do Turismo há pouco mais de um mês recebe pelo menos dois congressistas por dia, média três vezes maior que de sua antecessora
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play