Segunda-feira, 22 de julho de 2024

Dólar reverte alta e fecha em queda, a R$ 5,04; Bolsa brasileira encerra em baixa

O dólar fechou com baixa nessa quarta-feira (3), depois que falas do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, e dados do setor de serviços norte-americano, reduziram a pressão sobre o mercado de títulos americanos, enfraquecendo a divisa também no mercado internacional. A Bolsa brasileira fechou com queda de 0,18%, aos 127.318 pontos.

Durante a manhã, a moeda norte-americana demonstrava força ante a moeda brasileira e em relação a boa parte das demais moedas no exterior, em movimento que acompanhava a alta dos rendimentos dos títulos americanos.

O movimento reflete a percepção, reforçada por alguns dados dessa quarta, de que o Banco Central americano poderá adiar para julho ou para depois disso o início do processo de cortes de juros.

O dólar à vista terminou a sessão com baixa de 0,34%, a R$ 5,04 na venda. Às 17h10, na B3, o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caiu 0,57%, a 5.0535 pontos.

O Banco Central fez nesta sessão leilão de até 16 mil contratos de swap cambial tradicional para fins de rolagem do vencimento de 3 de junho de 2024.

Causas

O dólar começou a sessão em alta, mas o cenário começou a mudar às 11h, quando saíram os números do setor de serviços norte-americano do Instituto de Gestão do Fornecimento (ISM, na sigla em inglês). O Índice de Gerentes de Compras (PMI) não manufatureiro do ISM caiu de 52,6 em fevereiro para 51,4 em março, no segundo declínio mensal consecutivo do indicador.

Imediatamente após os números do ISM os yields perderam força nos EUA, o que também pesou sobre as cotações do dólar ante as demais moedas, incluindo o real.

Durante a tarde, a pressão baixista sobre o dólar continuou em meio a declarações do presidente do Fed. Em um evento nesta quarta-feira, ele demonstrou cautela em relação ao futuro da política monetária americana.

Além disso, pontuou que há riscos de se cortar os juros muito cedo, mas também de se esperar demais. Powell afirmou ainda que a política monetária está apertada e funcionando e que o mercado de trabalho está se reequilibrando.

O dólar tende a ser impulsionado pela tensão geopolítica em si, conforme investidores enchem suas carteiras de ativos seguros para se prevenir de eventuais escaladas em conflitos.

Recentemente, operadores têm reduzido as apostas num início em junho do afrouxamento monetário do Fed, bem como as projeções da flexibilização total a ser promovida pelo banco central este ano.

Bolsa

O Ibovespa, nessa quarta, fechou com queda de 0,18%, aos 127.318 pontos. A sessão teve como pano de fundo mais dados de emprego dos Estados Unidos – junto à expectativa da trajetória dos juros americanos –, e números da atividade industrial do Brasil. Junto a esse contexto macro, as movimentações das empresas listadas na B3 fizeram preço ao índice.

Antes da abertura do mercado, a pesquisa da ADP, considerada uma prévia do payroll que será divulgado nesta sexta-feira (5), mostrou que o setor privado americano criou 184 mil empregos no último mês de março. O resultado ficou acima das projeções, que apontavam para um total de 150 mil postos de trabalho. Já o número de empregos criados em fevereiro foi revisado para cima, de 140 mil a 155 mil.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Eletrobras contrata negociador para acordo coletivo de trabalho e prevê cortar salários
De olho na popularidade, Lula prepara anúncio de obras do PAC com foco na população de baixa renda
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play