Quarta-feira, 22 de maio de 2024

Drex: Caixa e Banco do Brasil realizam primeiras transferências entre bancos públicos utilizando o real digital

A Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil realizaram as primeiras transferências entre bancos púbicos utilizando o Drex, o novo real digital. A operação bancária envolveu o envio de reservas em um ambiente de testes do Banco Central do Brasil (BC).

Conforme as instituições, as transações ocorreram nos dias 30 e 31 de agosto. Primeiramente, os valores em moeda digital foram transferidos da carteira do Banco do Brasil para a Caixa. Na sequência, foram enviados pela Caixa à carteira do BB.

O Drex está em processo de implementação pelo BC e ainda não tem um cronograma oficial de lançamento. A expectativa do BC é que a nova moeda seja liberada para o público no final do ano que vem.

“Estamos entusiasmados com os resultados positivos até agora e ansiosos para explorar ainda mais o potencial das moedas digitais e das transações ágeis”, disse a presidente da Caixa, Maria Rita Serrano.

A presidente do Banco do Brasil, Tarciana Medeiros, afirmou ser um passo importante em direção a um sistema financeiro mais eficiente.

“O Drex é mais uma iniciativa bem-sucedida, em que teremos a possibilidade de melhorar serviços bancários com a adoção da tecnologia blockchain e a tokenização.”

O projeto da nova moeda também prevê a compra e venda de títulos públicos, em parceria com o Tesouro Nacional. Será possível, portanto, comprar e vender esses títulos usando o real digital.

Especialistas ainda reforçam que a chegada da nova moeda deverá trazer acesso a novos serviços financeiros digitais, como é o caso dos contratos inteligentes (também conhecidos como smart contracts). Além disso, o Drex será usado em outros serviços, como empréstimos, seguros e investimentos.

Na prática, o Drex servirá como uma nova expressão das cédulas físicas, já emitidas pelo BC, e será garantido pelos mesmos fundamentos e pelas mesmas políticas econômicas que determinam o valor e a estabilidade do real convencional.

A autoridade monetária destaca que uma das diretrizes para o desenvolvimento da moeda digital é a interoperabilidade (capacidade de um sistema se comunicar com outro de forma transparente) com os meios de pagamento hoje disponíveis à população.

A expectativa da Caixa é que, com a chegada do Drex, os serviços financeiros sejam melhorados e barateados.

“Um exemplo prático é a previsão de que o financiamento de um imóvel, por exemplo, poderá ser realizado em questão de horas. Isso acontecerá uma vez que, tanto o dinheiro quanto o imóvel, serão tokenizados”, informou o banco, em nota.

A nova moeda:

*será emitida pelo próprio BC, como uma extensão da moeda física, com a distribuição ao público intermediada pelos bancos e instituições de pagamento;

*sua custódia ficará no Banco Central;

*poderá ser trocada pelo real tradicional (em notas), e vice-versa, mas o foco serão as transações financeiras;

*a cotação frente a outras moedas também será a mesma;

*não será permitido que os bancos emprestem esses recursos a terceiros — como acontece atualmente com o real físico — e depois os devolva aos clientes;

*não haverá remuneração, ou seja, os recursos não terão uma correção automática;

*haverá uma garantia da segurança jurídica, cibernética e de privacidade nas operações.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Veja onde se vacinar contra covid e gripe nesta quarta-feira em Porto Alegre
Tráfico humano: Cuba afirma que cidadãos foram traficados para lutar pela Rússia na guerra contra a Ucrânia
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play