Segunda-feira, 24 de janeiro de 2022

loader

Em conversa com deputados, líderes dos caminhoneiros reafirmam que a greve da categoria está mantida para segunda-feira

Durante reunião realizada nesta quinta-feira (28) na Câmara dos Deputados e por videoconferência, representantes de caminhoneiros reiteraram aos parlamentares que a greve marcada para a próxima segunda-feira, 1º de novembro, está mantida. A menos que o governo atenda às reivindicações da categoria.

“Apresentamos a agenda, questionamos a política de preços dos combustíveis da Petrobras, pedimos apoio aos deputados nas pautas e reforçamos a greve para o dia 1º. O recado foi dado”, relatou o presidente do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), Plínio Dias, ao jornal “O Estado de São Paulo”.

No encontro, profissionais autônomos e com carteira assinada apresentaram suas demandas, principalmente no que se refere ao cumprimento do piso mínimo do frete rodoviário, aposentadoria especial a partir de 25 anos de trabalho e fim da política de preços da paridade de importação da Petrobras para combustíveis.

A reunião foi organizada pela Frente Parlamentar Mista dos Caminhoneiros Autônomos e Celetistas. Conforme o presidente do grupo, deputado federal Nereu Crispim (PSL-RS), participaram da reunião quatro parlamentares e mais de 80 líderes do movimento em vários Estados.

O clima de tensão e a falta de diálogo entre a categoria e o governo prejudica o cenário. Ainda conforme o parlamentar, as duas reuniões que estavam marcadas para acontecer entre o governo e as lideranças na tarde desta quinta-feira, 28, foram canceladas e não houve nenhum contato ou explicação da parte do governo até o momento.

“A manifestação da maioria foi de que ainda dá tempo do governo tentar estabelecer uma conversa, mas sem discursos que afrontem a categoria”, declarou o político gaúcho. Na reunião, ele pediu mais diálogo e entendimento do governo em relação às demandas da categoria.

Os caminhoneiros pedem mudanças na política de preços da Petrobras em decorrência das consecutivas altas no preço dos combustíveis. O diesel acumula alta de 65,3% no ano. Na segunda-feira, 25, a Petrobras realizou um novo ajuste nos preços, de 7% na gasolina e de 9% no diesel.

A mobilização comandada pela Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL) vem convocando – por meio de mensagens no aplicativo WhatsApp – os motoristas a aderirem ao movimento.

Em entrevista à revista “Veja”, o presidente da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava),  Wallace “Chorão” Landim, frisou que os trabalhadores do setor estão mobilizados para cruzar os braços. Ele é um dos líderes da greve de 2018.

Atrito com o governo federal

Os aumentos frequentes no preço dos combustíveis e o clima acirrado entre os caminhoneiros e o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, aumentaram as chances de paralisação nesta segunda-feira.

Nesta semana, ele desagradou a categoria ao dizer que os profissionais do setor “precisam se reinventar e procurar empregos em empresas de transporte, em vez de continuarem como autônomos. Freitas também falou que os caminhoneiros precisam se organizar para “sobreviver”, sugerindo repasse dos reajustes do diesel para o frete.

“O ministro estabeleceu um clima de confronto com os caminhoneiros autônomos, inclusive, alguns se sentem traídos pelo governo”, lamenta o deputado federal Nereu Crispim. ““Os caminhoneiros estão mobilizados, muito mais que em 2018”, reforçou, em referência à paralisação que causou uma série de transtornos e desabastecimento há três anos.

Em um vídeo que circula entre a categoria, o ministro afirma que a chance como a greve de 2018 é zero. Na época, conforme Freitas, “houve adesão de empresas de transporte e que essa turma está fora agora”.

Em 2018 quando houve paralisação dos caminhoneiros, durante o governo de Michel Temer, o então deputado e candidato presidencial Jair Bolsonaro gravou um vídeo de apoio à paralisação. Mas a categoria reclama que, em dois anos e meio de governo, nenhuma de suas reivindicações foi atendida.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Ministério da Economia estuda possibilidade de anistiar dívidas do Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior
Governo federal confirma Auxílio Brasil para novembro mas não garante valor mínimo de 400 reais
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play