Terça-feira, 16 de agosto de 2022

Entenda o que é câncer de intestino e como será o tratamento da cantora Simony

A cantora Simony revelou aos fãs que está com câncer no intestino. A artista contou observou uma íngua na virilha e foi procurar ajuda médica. O diagnóstico ocorreu após a realização um exame de colonoscopia. Ela se disse confiante em enfrentar a doença.

O médico responsável pelo tratamento da cantora é o oncologista Paulo Maluf. O especialista explicou que o tumor encontrado na cantora está localizado no final do intestino, próximo ao ânus. O tumor encontrado em Simony é chamado de epidermóide e ocorre em cerca de 98% dos casos de câncer de intestino.

“É um tumor que começou nesta região e tem alguns gângliosinhos. Foi por causa de um desses gânglios na região da virilha que a Simony percebeu que alguma coisa estava errada”, disse Maluf. “Costumo dizer que esse gânglio me salvou”, complementou a cantora.

O oncologista deixou claro que este tipo de câncer tem tratamento – que será quimioterapia e radioterapia e terá duração de aproximadamente seis meses. Além disso, afirmou que baseado na literatura médica e nos resultados de outros pacientes, a esperança de cura para Simony é “muito grande”.

“Temos esperança muito grande de que essa princesa vai ter uma história feliz. Feliz para ela, feliz para a família e para a equipe médica que terá a honra e privilégio de poder participar desse processo de cura dela. Esse é um câncer curável na maioria das pessoas”, disse o médico, que ouviu um “e comigo não será diferente” vindo da cantora.

Sobre o câncer de intestino

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a estimativa é que 40.990 novos casos de câncer de intestino sejam diagnosticados a cada ano no Brasil. Homens e mulheres são afetados na mesma proporção.

Os principais fatores de risco relacionados a esse tipo de câncer são: idade igual ou acima de 50 anos; excesso de peso corporal; alimentação não saudável (ou seja, pobre em frutas, vegetais e outros alimentos que contenham fibras); consumo de carnes processadas (salsicha, mortadela, linguiça, presunto, bacon, peito de peru e salame); ingestão excessiva de carne vermelha (acima de 500 gramas de carne cozida por semana).

Doenças inflamatórias do intestino, como retocolite ulcerativa crônica e doença de Crohn, também aumentam o risco de câncer do intestino, bem como doenças hereditárias, como polipose adenomatosa familiar (FAP) e câncer colorretal hereditário sem polipose (HNPCC). Pacientes com essas doenças devem ter acompanhamento individualizado.

Os sintomas mais frequentemente associados ao câncer do intestino são: sangue nas fezes; alteração do hábito intestinal (diarreia e prisão de ventre alternados); dor ou desconforto abdominal; fraqueza e anemia; perda de peso sem causa aparente; alteração na forma das fezes (fezes muito finas e compridas); massa (tumoração) abdominal.

Na maior parte das vezes esses sintomas não são causados por câncer, mas é importante que eles sejam investigados por um médico, principalmente se não melhorarem em alguns dias.

A detecção precoce pode ser feita por meio da investigação com exames clínicos, laboratoriais, endoscópicos ou radiológicos, de pessoas com sinais e sintomas sugestivos da doença (diagnóstico precoce) ou de pessoas sem sinais ou sintomas (rastreamento), mas pertencentes a grupos com maior chance de ter a doença.

O rastreamento dos tumores de cólon e reto (colorretal) pode ser realizado através de dois exames principais: pesquisa de sangue oculto nas fezes e endoscopias (colonoscopia ou retossigmoidoscopias).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Popularidade da cannabis medicinal cresce entre mulheres na menopausa
Atriz portuguesa é criticada por postar foto de filho de 3 anos beijando menina
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play