Sexta-feira, 19 de agosto de 2022

Estados Unidos avaliam reagir à ofensiva de Bolsonaro contra processo eleitoral e urnas eletrônicas

O governo Joe Biden avalia divulgar uma declaração oficial de confiança nas instituições democráticas brasileiras, um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro lançar dúvidas sobre a lisura das eleições. A reação dos Estados Unidos deve sair por Washington e não por meio da Embaixada em Brasília.

O tom será o mesmo de pronunciamentos anteriores. Por meio de discursos do presidente Joe Biden e de recados de enviados da Casa Branca e do Departamento de Estado ao Brasil, o governo norte-americano já manifestou “total confiança” nas instituições brasileiras em promover eleições livres e justas. Segundo eles, o sistema de votação eletrônica é seguro e confiável.

Em junho, quando viajou a Los Angeles para a Cúpula das Américas e se reuniu em privado com Biden, Bolsonaro pediu ajuda ao norte-americano para enfrentar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato do PT à Presidência da República, segundo a agência Bloomberg. O presidente sugeriu que Lula seria um entrave a interesses americanos. O governo brasileiro negou o pedido. A Casa Branca afirmou apenas que Bolsonaro prometeu respeitar o resultado, durante a conversa com Biden.

A embaixada norte-americana enviou o encarregado de negócios Douglas Koneff para assistir à apresentação de Bolsonaro, feita a cerca de 70 diplomatas de todo o mundo. Ele confirmou presença de última hora e era um dos únicos chefes temporários de embaixadas convidados ao Palácio da Alvorada. Koneff também assistira, em maio, a uma apresentação sobre a segurança das urnas eletrônicas promovida pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Orientados por seus governos, embaixadores em Brasília mantiveram discrição sobre o encontro e suas impressões a respeito do discurso de Bolsonaro. Agora, como já houve tempo de os diplomatas relatarem o ocorrido, por telegramas ou telefonemas, às respectivas capitais, a postura começou a mudar. Consultados, embaixadores afirmaram que Bolsonaro não sustentou sua argumentação em provas cabais de fraude e, portanto, não conseguiu convencê-los sobre a fragilidade da votação no País.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Governo quer pagar R$ 1 mil a taxistas em agosto
Grêmio empata em 1 a 1 com Brusque e desperdiça chance de subir na tabela da Série B
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play