Domingo, 16 de junho de 2024

Estados Unidos dizem que energia eletromagnética pode ter causado “Síndrome de Havana”

Um comitê de inteligência que investiga a causa de uma série de incidentes misteriosos que afetaram dezenas de autoridades dos Estados Unidos em todo o mundo informou que alguns dos episódios podem “plausivelmente” terem sido causados por “energia eletromagnética pulsada” emitida por uma fonte externa, de acordo com um resumo executivo das conclusões do comitê divulgado na quarta-feira (2).

No entanto, o comitê não chegou a fazer uma determinação definitiva, dizendo apenas que tanto a energia eletromagnética quanto, em circunstâncias limitadas, o ultrassom poderiam explicar os principais sintomas – destacando o grau em que a enfermidade, conhecida como “Síndrome de Havana”, tem permanecido um dos principais mistérios mais complicados da equipe de inteligência.

“Aprendemos muito”, disse um oficial de inteligência familiarizado com o trabalho do comitê, falando sob anonimato nos termos estabelecidos pelo Gabinete do Diretor de Inteligência Nacional. “Embora não tenhamos o mecanismo específico para cada caso, o que sabemos é que, se você relatar rapidamente e obter atendimento médico, a maioria das pessoas está melhorando.”

A descoberta confirma amplamente um relatório da National Academies of Science, do final de 2020, que descobriu que “energia de radiofrequência direta e pulsada” era “o mecanismo mais plausível para explicar esses casos” – mas também não chegou a fazer uma determinação firme.

O chamado comitê de especialistas é formado por peritos médicos, científicos e de engenharia que têm acesso a informações sigilosas sobre os incidentes. As autoridades enfatizaram que seu trabalho estava focado apenas em descobrir o mecanismo potencial por trás do que o governo chama de “incidentes anômalos de saúde” e não examinou quem, se houver, poderia ser responsável.

Um relatório provisório divulgado no mês passado por uma força-tarefa separada da CIA, examinando quem pode estar por trás dos episódios, descobriu que era improvável que a Rússia ou qualquer outro adversário estrangeiro estivesse conduzindo uma campanha global generalizada destinada a prejudicar as autoridades americanas. Mas a agência também não descartou que um Estado-nação – incluindo a Rússia – possa ser responsável por cerca de duas dúzias de casos que os investigadores não conseguiram explicar por qualquer outra causa conhecida.

Casos

O comitê científico enfatizou que os casos estudados eram “genuínos e convincentes”, observando que alguns incidentes afetaram várias pessoas no mesmo espaço e amostras clínicas de algumas vítimas mostraram sinais de “lesão celular no sistema nervoso”.

Um resumo executivo do trabalho do comitê forneceu novos detalhes sobre como o governo está categorizando os casos como possível Síndrome de Havana, uma doença clinicamente vaga que há muito tempo frustra diagnósticos firmes porque as vítimas sofrem de uma gama diversificada de sintomas.

Embora as autoridades se recusassem a dizer quantos casos o comitê examinou como parte de sua investigação, eles disseram que estudaram casos que atenderam a quatro “características principais”: o início agudo de sons ou pressão, às vezes em apenas um ouvido ou em um lado da cabeça ; sintomas simultâneos de vertigem, perda de equilíbrio e dor de ouvido; “um forte senso de localidade ou direcionalidade”; e a ausência de quaisquer condições ambientais ou médicas conhecidas que possam ter causado os outros sintomas.

As vítimas relataram ter sido atingidas por essa confluência de sintomas em embaixadas e residências pessoais em todo o mundo e, em pelo menos um caso, em semáforos ao ar livre em um país estrangeiro.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Prefeitura de Porto Alegre recolhe 33 toneladas de entulho em ação no entorno da antiga Ponte do Guaíba
Estado investirá quase 8 milhões de reais em finalização de obra na RSC-480
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play