Domingo, 25 de fevereiro de 2024

Estados Unidos terão consequências se insistirem sobre balões, diz a China

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, afirmou que os Estados Unidos arcarão “com todas as consequências” caso insistam “em tirar proveito da questão” do balão chinês derrubado em 4 de fevereiro.

“Se os EUA insistirem em tirar proveito da questão, aumentando o hype e expandindo a situação, a China seguirá até o fim e os EUA arcarão com todas as consequências”, disse o porta-voz em comunicado publicado no domingo (19).

A declaração do governo chinês vem depois do encontro do secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, com o diplomata chinês Wang Yi na 59ª Conferência de Segurança em Munique, na Alemanha. Foi a primeira reunião entre autoridades dos dois países desde a crise diplomática desencadeada pelo abatimento de um balão chinês supostamente usado para espionar os EUA no início do mês.

Depois da reunião, Blinken disse à rede de televisão CBS News que a China cogita fornecer “apoio letal” à Rússia na guerra contra a Ucrânia. “A preocupação que temos agora é baseada em informações de que eles [chineses] estão considerando fornecer apoio letal [à Rússia], e deixamos muito claro que isso causaria um problema sério para nós e em nossa relação”, afirmou.

Wang Wenbin respondeu à declaração de Blinken e disse que a parceria da China com a Rússia é estabelecida com base nos princípios de não alinhamento, aversão ao confronto e não interferência na política interna de países em desenvolvimento, o que estava “no direito soberano” de ambos.

“Como um grande país, os Estados Unidos tem todas os motivos para trabalhar por uma solução política para a crise [na Ucrânia], em vez de colocar lenha na fogueira e aproveitar a oportunidade para lucrar”, disse o porta-voz.

Tensão

Em 2 de fevereiro, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos anunciou que detectou um “balão de vigilância chinês de alta altitude” sobre o território norte-americano. O equipamento foi localizado no Estado de Montana, próximo à Base Aérea de Malmstrom, onde há 3 campos de silos de mísseis nucleares, estrutura feita para armazenar e lançar mísseis balísticos.

Balões dos EUA sobrevoaram a China mais de 10 vezes, diz Pequim.
“Assim que o balão foi detectado, o governo dos EUA agiu imediatamente para se proteger contra a coleta de informações confidenciais”, disse o Pentágono em comunicado.

No dia seguinte, o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, decidiu adiar a viagem à China, prevista para 5 de fevereiro. Ele iria se reunir com o ministro das Relações Exteriores chinês, Qin Gang, para discutir a relação dos 2 países e o aumento de casos de covid na China.

Em 4 de fevereiro, os Estados Unidos afirmaram ter derrubado o balão na costa da Carolina do Sul depois de o equipamento sobrevoar locais militares sensíveis. O balão representou um aumento de tensões entre norte-americanos e chineses, que trocaram acusações mútuas pelo episódio.

A China afirma que o objeto era um equipamento “usado para fins de pesquisa, principalmente meteorológicos” que desviou do seu curso devido às correntes de vento. Wang Yi chegou a dizer que a reação dos EUA ao balão havia sido “histérica”.

“Existem tantos balões em todo o mundo, e vários países os têm, então os Estados Unidos vão derrubar todos eles?”, declarou durante a Conferência de Segurança em Munique.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

“Meu mundo acabou em 11 de janeiro”, diz investidor das Lojas Americanas
Saiba quem é Sara Khadem, campeã iraniana de xadrez que compete sem usar o véu e está exilada na Espanha
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play