Quarta-feira, 22 de maio de 2024

Estrangeiro domina aquisições de empresas no País; cenário global mais conturbado atraiu o capital externo

Enquanto os brasileiros decidiram preservar o caixa em 2023, os investidores internacionais foram às compras no mercado nacional. Levantamento do escritório RGS Partners, especializado em fusões e aquisições (M&A na sigla em inglês), mostra que a participação dos estrangeiros nas operações foi a maior da década no Brasil e representou 47% das transações.

De 20% em 2020, o porcentual subiu para 38% em 2021 e para 43% em 2022. O apetite do investidor internacional, em valores, foi ainda maior e chegou a 58% do total em 2023, ante 29% de 2022.

Sócio da RGS Partners, Fábio Jamra diz que o mercado brasileiro ganhou relevância devido ao conturbado cenário macroeconômico global. “Rússia e China tiveram menos investimentos do investidor estrangeiro, e os EUA passaram por um período de inflação. Com isso, a América Latina, sobretudo o Brasil, se tornou mais interessante para o investidor internacional, o que também ocorreu com a Índia.”

Entre as operações que marcaram a participação dos estrangeiros em negócios brasileiros estão a aquisição da Aesop (Natura) pela L’Oreal, Liberty Seguros pela HDI International e Mineração Rio do Norte pela Glencore.

Nas operações ligadas ao mercado de tecnologia, o setor de maior destaque foi o de fornecimento de plataformas tecnológicas para o segmento bancário ou para empresas que fazem a “bancarização” de aplicativos. Enquanto Pismo e Sinqia foram compradas, respectivamente, por Visa e Evertec, o maior aporte em startup no País em 2023 foi a rodada de R$ 1 bilhão liderada pelo fundo General Atlantic na QI Tech.

“A Série B da QI Tech mostra que boas oportunidades ainda atraem capital. A esperança é que a rodada ajude o ecossistema inteiro de startups, posicionando as companhias da América Latina em destaque no mercado de investimentos global”, diz Marcelo Bentivoglio, fundador e diretor financeiro da QI Tech.

O aporte na empresa permitiu uma operação de M&A no mercado interno: a aquisição da Singulare, corretora de administração que tem mais de R$ 100 bilhões sob custódia e 1 mil fundos gerenciados.

No caso da Sinqia, a aquisição de R$ 2,5 bilhões pela Evertec, processadora de transações baseada em Porto Rico, levou a companhia a fechar capital na B3, pagando prêmio de 20% sobre o valor dos papéis na Bolsa. Com o negócio, a Sinqia vai reforçar a presença da Evertec no País e ampliar a participação para mercados que vão além do Brasil.

Filipe Bodenmuller, diretor de estratégia e M&A da Sinqia, diz que a venda da empresa foi um movimento estratégico. Há complementaridade entre a atuação da Evertec e da Sinqia, que permitem a venda cruzada de produtos de uma para a outra.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Na etapa turca da Copa do Mundo de ginástica, Rebeca Andrade leva medalha de prata nas barras assimétricas
Vini Júnior precisa de mais apoio na luta contra o racismo na Espanha
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play