Segunda-feira, 22 de julho de 2024

Ex-ajudante de ordens de Bolsonaro foi detido após revista divulgar áudios em que ele critica investigadores e diz ter sido pressionado pela Polícia Federal

O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), voltou a ser preso nessa sexta-feira (22). A ordem de prisão preventiva do militar foi determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). A Corte informou que o ex-ajudante de Bolsonaro foi preso por descumprimento de medidas judiciais e por obstrução de Justiça.

O Supremo não detalhou quais medidas cautelares foram descumpridas.

Cid foi preso depois do vazamento de áudios em que ele afirma ter sido pressionado pela Polícia Federal (PF) durante depoimentos. Nas gravações, o militar também faz críticas ao ministro Alexandre de Moraes, do STF. As gravações foram divulgadas pela revista “Veja” na quinta-feira (21).

Antes de ser preso, Cid foi ouvido por cerca de 30 minutos, no STF, por um juiz auxiliar de Moraes, sobre o conteúdo dos áudios revelados pela revista. No depoimento, ele não contou com quem estava conversando nas gravações que foram divulgadas pela “Veja”.

Segundo o STF, após prestar depoimento ao auxiliar de Moraes, Cid foi encaminhado ao Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal, onde fez um exame de corpo de delito. Na sequência, foi levado para o Batalhão de Polícia do Exército, local em que ficará preso.

Como é oficial do Exército, Cid tem a prerrogativa de ser preso em um estabelecimento militar.

Além da prisão do tenente-coronel, agentes da PF cumpriram mandado de busca e apreensão na residência do ex-ajudante de ordens. Um celular dele e outro da esposa de Cid foram apreendidos.

Áudios

Nas gravações divulgadas pela Veja, Cid acusa Moraes, que homologou a delação dele, e agentes da PF de estarem com a “narrativa pronta” – ou seja, de irregularidades ao longo do acordo de colaboração.

Segundo Cid, os investigadores “não queriam saber a verdade” nas vezes em que ele prestou depoimento à Polícia Federal.

O advogado de Mauro Cid, Cezar Bittencourt, afirmou ao blog da Camila Bomfim que os áudios revelam um “desabafo”, já que Cid vive um momento de angústia “pessoal, familiar e profissional”.

“Mauro César Babosa Cid em nenhum momento coloca em xeque a independência, funcionalidade e honestidade da Polícia Federal, da Procuradoria-Geral da República ou do Supremo Tribunal Federal na condução dos inquéritos em que é investigado e colaborador, aliás, seus defensores não subscrevem o conteúdo de seus áudios”, afirmou o advogado.

Após a revelação dos áudios, a Polícia Federal acionou o STF. A corporação quer explicações de Mauro Cid sobre as gravações e diz que foi “levianamente” acusada.

Primeira prisão

O ex-ajudante de ordens foi preso pela primeira vez em maio de 2023, na operação que investiga falsificação de cartões de vacinação de Bolsonaro, parentes e assessores.

Em setembro, após quase seis meses detido, Cid fechou um acordo de colaboração premiada com a Polícia Federal, que foi homologado pelo ministro Alexandre de Moraes. Em seguida, o ex-assessor de Bolsonaro foi solto.

Quando liberou Cid da prisão, Moraes determinou uma série de medidas que deveriam ser cumpridas pelo militar, como:

* proibição de deixar Brasília e o país, com a obrigação de entregar os passaportes;

* recolhimento domiciliar no período noturno e nos finais de semana com uso de tornozeleira eletrônica;

* suspensão imediata de quaisquer documentos de porte de arma de fogo;

* proibição de utilização de redes sociais;

* proibição de contato com os demais investigados, com exceção de esposa e pai.

No processo de colaboração, ele prestou uma série de depoimentos que auxiliaram a PF em apurações contra o ex-presidente Jair Bolsonaro, como a investigação sobre uma tentativa de golpe de Estado articulada após as eleições de 2022, para impedir a posse de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Presidência da República.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Presidente do partido União Brasil, afastado pelo companheiros nesta semana, vai recorrer à Justiça para voltar ao cargo
O casamento de tucanos e trabalhistas, ex-inimigos políticos: o PSDB de Fernando Henrique Cardoso e o PDT de Brizola negociam a formação de uma federação
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play