Quinta-feira, 27 de janeiro de 2022

loader

França e Reino Unido trocam acusações após morte de imigrantes

Os governos da França e do Reino Unido trocaram acusações após o naufrágio de um bote que provocou a morte de 27 imigrantes que tentavam atravessar o Canal da Mancha, nesta semana. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou que a França não faz o bastante para evitar que os imigrantes tentem chegar à Inglaterra, e o ministro do Interior francês, Gerald Darmanin, disse que o mercado de trabalho britânico é um incentivo para essa tentativa.

“Todo mundo sabia que havia 1,2 milhão de migrantes clandestinos no Reino Unido e que as empresas inglesas usam essa força de trabalho”, declarou Darmanin à rádio RTL.

Estima-se que mais de 25 mil pessoas chegaram ao Reino Unido em pequenos barcos este ano — três vezes mais do que em 2020. Boris enfrenta intensa pressão para impedir as travessias, alimentadas por traficantes de pessoas.

Boris pediu a Macron que aceitasse de volta os imigrantes que chegaram ao Reino Unido. “Proponho que implementemos um acordo bilateral de readmissão para possibilitar o retorno de todos os imigrantes ilegais que cruzam o Canal da Mancha”, disse o premier britânico em uma carta ao presidente francês que foi publicada no Twitter.

Mais cedo, o governo francês informou que está mobilizando reservistas e reforçando as operações de resgate marítimo no Canal da Mancha, incluindo com o uso de drones. O país convidou ministros de Bélgica, Alemanha, Holanda e Reino Unido, além da Comissão Europeia, para uma reunião no domingo, em Calais.

Segundo o gabinete do primeiro-ministro francês, Jean Castex, o encontro permitirá “reforçar a cooperação policial, judiciária e humanitária” para “melhor lutar” contra as máfias que traficam imigrantes.

Em visita à Croácia, o presidente Emmanuel Macron disse que a França nunca teve tantos policiais mobilizados nas suas fronteiras para resolver o problema. Ele também pediu “uma maior cooperação europeia nesta área”:

“A França é um país de trânsito, lutaremos contra essas redes que traficam imigrantes, aproveitando o seu desespero, mas para isso temos de melhorar a cooperação europeia”, disse Macron. “Precisamos de uma forte cooperação de Bélgica, Países Baixos, Reino Unido e Comissão Europeia.”

Dificuldades

O naufrágio do bote com imigrantes foi o mais grave acidente do tipo registrado até hoje na região, detonando uma nova disputa entre França e Reino Unido, que acumulam conflitos desde o Brexit, a saída britânica da União Europeia. O governo de Boris reiterou que está desembolsando o equivalente a R$ 405 milhões em ajuda às autoridades francesas para intensificar o patrulhamento do canal.

O porta-voz do primeiro-ministro britânico, Max Blain, disse que existem negociações para que o país envie seu pessoal para ajudar no Norte da França. Paris já havia resistido a tais apelos e não está claro se mudará de ideia cinco meses antes de uma eleição presidencial em que imigração e segurança são tópicos importantes.

“Temos tido dificuldade para persuadir nossos parceiros, particularmente os franceses, a atuarem do jeito que pensamos que a situação exige”, disse Boris. O ministro da Imigração britânico, Kevin Foster, complementou: “Estamos preparados para oferecer recursos”, disse à BBC TV. “Somos claros: não vemos isso apenas como uma questão com a qual a França precisa lidar, mas uma questão com a qual queremos trabalhar junto com a França e nossos parceiros europeus.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Google se livra de indenizar usuário que perdeu bitcoins em ataque hacker
Presidente da Ucrânia acusa Rússia de tramar golpe contra ele
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play