Terça-feira, 25 de junho de 2024

Golpe de namoro virtual afeta 4 em cada 10 mulheres

A confiança em alguém que você nunca viu pessoalmente a ponto de emprestar dinheiro pode acontecer por diversos motivos, como carência, a paixão, pressão social para encontrar um parceiro e até mesmo distúrbios mentais.

Para entender por que o golpe do namoro virtual continua acontecendo, mesmo depois de ser bastante divulgado, a reportagem conversou com psicólogo, promotor do Ministério Público Federal e instituições que prestam apoio às vítimas.

O golpe é conhecido como “romance scammer” e se trata de quando grupos de estelionatários fingem ser estrangeiros em altas posições, no caso mais comum, militares dos Estados Unidos. Após estabelecer o que seria um romance, o bandido começa a pedir valores para as vítimas. O crime também é conhecido como estelionato sentimental virtual.

No Brasil, 4 em cada 10 brasileiras dizem já ter sofrido algum golpe de namoro virtual ou conhecem alguém que foi vítima, aponta pesquisa obtida exclusivamente pelo g1 da organização “Era Golpe, Não Amor”, uma parceria da empresa Hibou, especializada em pesquisa e insights de mercado, da Associação Brasileira de EMDR (nome da terapia que usa uma estimulação dupla para ajudar os pacientes a processarem memórias difíceis) e o Ministério Público de São Paulo.

Foram entrevistadas 2.036 mulheres de todo o País, considerando a divisão proporcional de raça, idade e classe social, por meio de formulários virtuais em março de 2023. O estudo apresenta 2,2% de margem de erro e 95% de intervalo de confiança.

Entenda a seguir essas motivações e como o “romance scammer” acontece:

– Paixão: A paixão é um estado similar ao hipnotismo. Ela cria uma crença inabalável em relação à pessoa por quem se está apaixonado. O ato de dar dinheiro se manifesta como uma forma de demonstrar este amor, explica o professor Christian Dunker do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP USP).

E esses golpistas possuem ainda técnicas para conseguirem ganhar a confiança das vítimas.

“As vítimas que realmente se apaixonam são as que perderam alguém muito próximo ou estão com algum sofrimento”, explica Glauce Lima, caçadora de golpistas e fundadora do Instituto GKScanOnline, de apoio a vítimas de crimes cibernéticos.

É o que aconteceu com a Maria (nome fictício para proteger a vítima). O golpista entrou em contato com ela em 2016, quando o ela tinha acabado de perder uma irmã e o pai.

Além disso, existem as pessoas com as chamadas “personalidades evitativas”, que têm o desejo de amar, mas que tem medo, seja de serem rejeitadas, de se exporem e até mesmo do encontro físico. Com a internet, essas pessoas encontraram o espaço ideal para achar um par, explica o professor. “Quando você está à distância, você pode suplementar os déficits de realidade com a sua fantasia de uma forma muito melhor”, afirma.

– Delírio: Nem em todos os casos a paixão é a grande culpada. Dunker explica que existe um distúrbio psicológico chamado erotomania, que é uma das quatro formas clássicas de delírio.

“O que caracteriza o delírio erotomaníaco é uma grande diferença social entre amante e amada. Em geral, são mulheres que experimentam o sentimento de que um homem muito importante está sendo alvo de algum tipo de impedimento, uma conspiração, uma situação em que ele precisa ser salvo ou socorrido”, diz.

Essa pode ser uma das explicações para os casos como da aposentada que perdeu mais de R$ 200 mil ao transferir o dinheiro para um golpista que se passava pelo ator norte-americano Johnny Depp e do jogador de vôlei italiano Roberto Cazzaniga, que pensava ser namorado virtual da modelo brasileira Alessandra Ambrósio e acabou enviando € 700 mil aos estelionatários.

Além disso, a vítima acredita em sinais que são mandados pela pessoa. No caso de o bandido ter usado a imagem de algum famoso que aparece na TV, por exemplo, o figurino de uma determinada cor pode significar uma mensagem de amor na cabeça da pessoa que tem o transtorno.

Costume social

Apesar de homens também serem alvos deste tipo de golpe, a maior parte das denúncias são de mulheres, explica o promotor Thiago Pieronom do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e que participou do levantamento do Núcleo de Gênero do MPDFT, que analisou 240 casos de estelionato sentimental registrados pela Delegacia de Atendimento à Mulher do estado desde 2018.

Para ele, existe uma explicação social para isso. “A necessidade de estar em um relacionamento afetivo para se realizar na vida, essa exigência social é muito mais forte para mulheres do que para homens. Isso torna as mulheres mais vulneráveis a aceitar coisas que normalmente não parecem muito normais”, diz.

As vítimas

Os alvos dos bandidos são mulheres entre 40 e 70 anos. O perfil está mais diverso, abrange mulheres casadas, solteiras, divorciadas, que podem ter diploma universitário e com ou sem uma renda alta. Isso porque as de baixa renda ainda podem fazer empréstimos. Quando a mulher é casada, o bandido vê uma segunda oportunidade: pedir nudes para chantageá-la. A maioria das vítimas são brancas, aponta o levantamento do Núcleo de Gênero do MPDFT. Dentro desses casos, 5,5% dos relacionamentos aconteceram inteiramente pela internet.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Sob a gestão Lula, o presidente da Câmara dos Deputados ganha poder e protagonismo inéditos
Primeiro censo brasileiro da população lésbica, apresentado no Recife, mostra que 80% já sofreram violência
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play