Segunda-feira, 20 de maio de 2024

Governo Lula diz à CPMI do 8 de Janeiro que não tem imagens do hacker Walter Delgatti com Bolsonaro

O Ministério da Defesa e o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) informaram para a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro que não têm imagens do hacker Walter Delgatti no prédio da Defesa e no Palácio da Alvorada, em Brasília (DF). O motivo alegado é a falta de “capacidade de armazenamento dos sistemas”.

As imagens foram solicitadas pela CPMI em agosto, após o hacker afirmar que teria tido encontro com o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e reuniões na Defesa entre 1º de julho de 2022 e 31 de dezembro de 2022. As negativas sobre a entrega dos vídeos foram registradas na última sexta-feira (1º).

Ao colegiado, o hacker afirmou que Bolsonaro ofereceu a ele um indulto presidencial para invadir o sistema das urnas eletrônicas e expor supostas vulnerabilidades, além de assumir a autoria de um grampo do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

No ofício em resposta ao requerimento da comissão, o Ministério da Defesa afirmou que o tempo de retenção das imagens do videomonitoramento é de 30 dias. Informou ainda que a capacidade de armazenamento tem sofrido redução, diante da quantidade e da qualidade das imagens, “exigindo que o sistema seja reiniciado a cada 15 ou 20 dias”.

Já o GSI disse que as imagens do sistema permanecem disponíveis entre 12 e 14 dias. “Depois desse período, sobrescritas por novas imagens geradas pelas câmeras.”

Delgatti está preso desde o início de agosto pela invasão de sistemas da Justiça para inclusão de mandado falso de prisão contra o ministro Alexandre de Moraes. Em depoimento à Polícia Federal (PF), Delgatti disse que recebeu R$ 40 mil da deputada Carla Zambelli (PL-SP) para fazer o serviço.

Hacker

Delgatti ficou conhecido por hackear trocas de mensagens do ex-juiz da Operação Lava-Jato Sérgio Moro, hoje senador, e do ex-procurador da República e deputado cassado Deltan Dallagnol.

Com codinome Vermelho, ele já havia sido preso, em julho de 2019, na Operação Spoofing. À época, ele admitiu aos investigadores ter hackeado o celular de diversas autoridades do País. O hacker também afirmou que repassou o conteúdo das supostas mensagens entre Moro e Dallagnol ao jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil, sem cobrar contrapartidas financeiras para repassar os dados. O caso ficou conhecido como “Vaza Jato”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Ministério Público pede que o Tribunal de Contas da União mande Bolsonaro devolver todos os presentes recebidos
Senador vai ao Supremo contra ato da Câmara dos Deputados que mudou regime de preferência na tramitação de projetos
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play