Sexta-feira, 01 de julho de 2022

loader

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes: “Somos uma aliança de liberais e conservadores contra a esquerda”

A inflação chegou a dois dígitos. Muito países estão com desabastecimento. Ano passado o Brasil gastou o equivalente a 13 anos de bolsa família com auxílio emergencial mais ajuda a estados e municípios a fundo perdido. Graças a medidas tomadas, como a lei da liberdade econômica, foi possível alavancar o desenvolvimento. Estes foram alguns pontos grifados pelo presidente Jair Bolsonaro, em uma conversa direta com jornalistas das mídias tradicionais, e das redes sociais, ao lado do ministro da Economia Paulo Guedes. De acordo com Jair Bolsonaro, “terminaremos 2020 com mais gente com carteira assinada que em 2019 e devemos isso ao Paulo Guedes e equipe econômica que não deixou de repassar recursos bastante vultosos a estados e municípios, não só para atender a questão da pandemia, bem como a expectativa de perda de arrecadação, e programas, como o BEM e o Pronampe. Todo mundo trabalhou muito no ano passado para o Brasil sofrer o menos possível. Todo mundo esperava que ia cair 10%. Caiu 4% foi um dos países que menos caiu, e isso se deve ao Paulo Guedes. Sabemos agora que o preço do fique em casa, a economia a gente vê depois, chegou. Temos aí o reajuste dos combustíveis. É só ver o preço do barril do petróleo, e o comportamento do dólar aqui. A gente não vai interferir no preço de nada, Isso não deu certo no passado. Espero que esse momento passe em cima de muitas reformas”.

Paulo Guedes e a defesa do teto de gastos

O ministro da Economia Paulo Guedes continua firme na defesa do teto de gastos, o que, segundo ele, significa buscar alternativas para recompor a receita. “Se a gente fizer uma reforma administrativa que nos dê R$ 300 bilhões não tem problema dar R$ 30 bilhões para os vulneráveis. Se a gente avançar no imposto de Renda, que tributa justamente quem, ganha R$ 300 bilhões com juros e dividendos, nós podemos ajudar os mais frágeis”.

Paulo Guedes traduz o cenário: “somos o país que menos caiu, mais rápido voltou, e está crescendo mais do que a média do mundo inteiro, América Latina, Europa e países avançados. Então nos fizemos um trabalho com apoio do presidente, que botou o Brasil em pé. O Brasil está caminhando, e vai crescer mais de 5% este ano. Comida e energia é 50% do aumento dessa inflação toda.”

Aliança de liberais e conservadores

O ministro Paulo Guedes descreve de forma clara esta aliança do governo com políticos conservadores, lembrando que o objetivo é um só:Somos uma aliança de liberais e conservadores contra a esquerda que estava levando o país para a miséria. O caminho da Argentina, o caminho da Venezuela, o caminho da miséria: empobrecimento da população. Nos queremos o caminho da prosperidade. E nós estávamos andando na direção certa. O Brasil já estava começando a decolar quando chegou a covid”.

Senado inerte. Mas poucos percebem

A inércia criminosa do Senado Federal beira a irresponsabilidade constitucional: não é só com a tramitação da indicação para a vaga de André Mendonça para a vaga de ministro do STF. O Senado também está travando a indicação de quatro conselheiros para o CNMP (Conselho Nacional do ministério Publico), e uma indicação para o STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Flávio Pereira

Winston Ling mostra a imensa lista de “entregas” feitas por Paulo Guedes ao País
Pré-candidato ao Piratini, Senador Heinze acredita que direita estará unida em 2022
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play