Domingo, 21 de julho de 2024

Lula cobra de seu ministro Padilha e líderes governistas que conversam mais com o Congresso

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou do ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, e dos líderes do governo que conversem mais com o Congresso Nacional. Na avaliação do chefe do Executivo, na gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro, houve um processo de empoderamento do Parlamento.

“Nós só temos 70 deputados, a minha base de esquerda deve ter 140, e nós temos 513 deputados. Tem que negociar? Tem. Padilha tem que conversar mais? Jaques Wagner tem que conversar mais? Tem. José Guimarães tem que conversar mais? Tem. Randolfe tem que conversar mais? Tem”, cobrou Lula nessa terça-feira (18), durante entrevista concedida à Rádio CBN. “Mas é assim, quem não gostar de conversar, não fala política.”

Na avaliação do petista, depois da gestão Bolsonaro, o Congresso “se empoderou demais”, enquanto o Executivo “tem ficado fragilizado na arte de exercer o orçamento da União”.

Sob um Parlamento com perfil mais conservador, Lula, contudo, negou que tenha subestimado o papel dos congressistas, uma vez que eles estão fazendo “o que sempre souberam fazer”. Porém, ele aponta uma falta de experiência com a extrema-direita nos temas pautados.

“Não tínhamos experiência com extrema-direita ativista como temos hoje, pouco pragmática na política, mas muito pragmática nas mentiras”, citou.

O presidente citou o veto ao projeto que trata da saída temporária de presos, a “saidinha”. Quando vetou, Lula queria abrir brecha para permitir permissão de visita de presos à família. Mas com a derrubada do veto, esse benefício fica impedido.

De acordo com o petista, o veto se deu por uma “questão de princípio”. “Veto à saidinha foi decisão minha, sabendo que quando fosse para lá (Congresso), ia perder”, comentou. “Queria que ficasse para história que eu vetei saidinha porque família é base da sociedade.”

Na entrevista, Lula negou que tenha conversado com o senador Davi Alcolumbre (União Brasil-AP) sobre a presidência da Casa e com a Câmara sobre a presidência da Casa. “É um problema deles, não é do presidente da República”, disse.

Reeleição

Na entrevista, Lula afirmou ainda que pode tentar a reeleição em 2026 “para evitar que trogloditas voltem a governar” o País.

Questionado se a idade no ano da próxima eleição presidencial não atrapalharia a corrida eleitoral, o presidente disse que estará com 80 anos: “No auge da minha vida”.

Segundo Lula, ainda não é hora de quero discutir o pleito de 2026, já que seu mandato atual ainda tem apenas um ano e sete meses. Além disso, na avaliação do presidente, “tem muita gente boa para ser candidata. Eu não preciso ser candidato”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Lula diz que pode se candidatar à reeleição para evitar a volta de “trogloditas”
Supremo volta a julgar descriminalização da maconha para uso pessoal nesta quinta-feira
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play