Domingo, 25 de fevereiro de 2024

Lula conta com aumento do salário mínimo e novo Bolsa Família para reverter desaceleração do PIB

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) conta com as medidas que seu governo está adotando neste início de ano, como aumento real do salário mínimo e novo Bolsa Família, para reverter a desaceleração do crescimento da economia brasileira registrada no último trimestre do ano passado.

Na avaliação da equipe de Lula, o presidente herdou uma pisada no freio da economia promovida pelo ex-presidente Jair Bolsonaro. O PIB cresceu 2,9% em 2022, mas recuou 0,2% no período outubro a dezembro passado.

Ou seja, a economia estava crescendo no último ano do mandato do ex-presidente Jair Bolsonaro, mas reduziu o ritmo do crescimento no final de 2022 por conta do aumento da taxa de juros para segurar a inflação.

Agora, Lula terá de reverter essa desaceleração para evitar um crescimento fraco neste ano e uma parada na reação do mercado de trabalho.

Consumo

A equipe do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, conta com as medidas que estão sendo adotadas e que devem estimular o consumo no País ainda neste primeiro semestre.

Entre elas, estão o aumento real do salário mínimo, que vai passar para R$ 1.320,00 a partir de maio, a isenção no pagamento de Imposto de Renda para quem ganha até R$ 2.640,00, além dos novos pagamentos do Bolsa Família. Essas medidas tendem a gerar renda para a população de mais pobre no país e garantir um aquecimento no consumo.

Além dessas iniciativas, o governo deve lançar na próxima semana o Desenrola Brasil, programa de refinanciamento de dívidas.

Com isso, o governo espera que um contingente de até 40 milhões de pessoas possam voltar a tomar crédito no país, saindo da posição atual de negativados no Serasa, ou seja, sem condições de tomar empréstimos no sistema financeiro.

Taxa de juros

A equipe de Haddad aposta ainda numa queda da taxa de juros ainda neste primeiro semestre pelo Banco Central, mas gerar um clima de otimismo no Brasil.

Lula tem pressionado o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, a cortar os juros. O próprio Haddad tem dito que as últimas medidas adotadas na área fiscal permitem que o BC comece a reduzir a taxa Selic, hoje em 13,75% ao ano.

Roberto Campos Neto tem dito que o BC não gosta de subir taxa de juros, mas que não pode fazer uma redução de forma artificial.

E que o governo precisa conquistar credibilidade junto a investidores, para que as taxas de juros no mercado futuro comecem a declinar. Isso seria o caminho para a queda dos juros.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Biópsia no presidente dos Estados Unidos confirma presença de tecido canceroso, que foi totalmente removido, segundo a Casa Branca
Banco Central libera pagamentos no WhatsApp com cartão de crédito, débito e pré-pago
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play