Sábado, 13 de julho de 2024

Lula deve tirar seis empresas estatais da lista de privatizações; saiba quais são elas

O presidente eleito Lula anunciou na semana passada que vai interromper as privatizações. Nessa quinta, o relatório da transição deu pistas de como isso será feito a partir de janeiro. O documento lista seis empresas que deverão ser mantidas sob controle do governo federal. São elas: Petrobras, Correios, EBC, Nuclep, PPSA e Conab.

A transição propôs que Lula edite um despacho orientando os ministérios a revogar atos relativos a processos de desestatização. Segundo o relatório, serão interrompidos processos em “etapas preparatórias e ainda não concluídas” de privatização.

“Vão acabar privatizações nesse país. Já privatizaram quase tudo e vamos provar que algumas empresas públicas vão poder mostrar a sua rentabilidade”, avisou Lula no último dia 14.

Porto de Santos

O governo não vai prosseguir com a privatização do Porto de Santos, o maior da América Latina, disse, nessa quinta-feira (22) o futuro ministro dos Portos e Aeroportos, Márcio França, ao jornal O Estado de S. Paulo.

França, escolhido para chefiar o ministério no governo do presidente eleito Lula, disse que a decisão de não privatizar o porto já foi tomada.

O porto é uma importante porta de saída para as exportações de commodities agrícolas, incluindo soja e açúcar.

França não comentou a decisão, que era amplamente esperada, já que assessores próximos ao presidente eleito disseram publicamente que eram contra o plano de privatização.

O governo de Jair Bolsonaro havia avançado com os planos de privatizar o porto de Santos no segundo semestre de 2022, mas não conseguiu superar obstáculos relacionados ao processo, incluindo a aprovação final do Tribunal de Contas da União.

“Não será feito o leilão (de privatização)”, disse França ao jornal. “A autoridade portuária vai continuar estatal.”

O novo ministro disse ainda que há uma chance de realizar concessões de áreas dentro do porto de Santos. Ele acrescentou, no entanto, que embora o novo governo não tenha problemas com o envolvimento do setor privado nas atividades portuárias, o Estado deve ser capaz de regular adequadamente o setor.

“Nós pedimos que fosse tudo adiado para que o presidente (eleito) possa opinar.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Congresso aprova Orçamento com Bolsa Família de 600 reais e novo salário mínimo
Brasil recebe primeiro lote das vacinas bivalentes para novas variantes da Ômicron
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play