Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Lula não se decide entre Jobim, Wagner e Mercadante, e o Ministério da Defesa vive ameaças na transição para o novo governo

Bolsonaristas se aglomeram diante de quartéis pedindo um golpe militar, brigadeiros e almirantes da reserva fazem um manifesto pedindo aos comandantes militares que intervenham contra o resultado das urnas e oficiais da ativa ofendem em redes sociais o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva. Diante desse ambiente conturbado, petistas cogitam usar o Ministério da Defesa para acomodar companheiros na Esplanada, fazendo da Pasta a cadeira que se procura para abrigar Aloizio Mercadante ou Jaques Wagner.

É com esse argumento que outros petistas defendem a nomeação de Nelson Jobim, ex-ministro da Defesa e ex-ministro do STF para o cargo. Acreditam que ele é capaz de produzir consenso entre os militares. Também teria autoridade para pôr ordem na casa e enfrentar os indisciplinados das redes sociais. Jobim – eles afirmam – saberia explicar que o direito de se manifestar não cria o direito de delinquir. Não existe liberdade para cometer crimes, como faz quem incita as Forças Armadas a dar um golpe de Estado, sob o argumento falso de fraude eleitoral ou de que a Justiça não seria mais capaz de dirimir os conflitos no País.

Diante do silêncio de Lula sobre a transição, os radicais aproveitam. Os Guardiões da Nação acreditam ter legitimidade para falar por toda o povo e chamam de “pedido de cidadãos” a denúncia feita pelo PL, partido de Bolsonaro, e rejeitada pelo TSE. É curioso como tentam transformar Valdemar Costa Neto em representante da cidadania. E buscam confundir o País com a bolha bolsonarista das redes sociais. Mas o que impressiona mesmo é a audácia de defender abertamente um ataque das Forças Armadas contra os Poderes Constituídos, incitando os comandantes a dar um golpe de Estado.

Eis o que escrevem: “Em face deste quadro, é natural e justificável que o Povo Brasileiro esteja se sentindo indefeso, intimidado, de mãos atadas e busque nas FFAA, os ‘reais guardiões’ de nossa Constituição, o amparo para suas preocupações e solução para suas angústias, como sua última instância, já que não lhe parece evidente o recurso aos instrumentos de tutela jurisdicional, uma vez que a própria autoridade que deveria prestar essa mesma tutela nega-se a atender esses anseios, inclusive utilizando-se da censura.” Frustrados pela derrota, dizem representar a vontade do povo. Mas esta foi expressa nas urnas e não nas cabalas do Planalto.

O manifesto prossegue: “Nosso sentimento, continuado o atual quadro político e institucional, é que nosso Pátria corre um risco elevado de entrar rapidamente em uma convulsão social, com graves reflexos à sua Soberania e na liberdade de seu Povo”. No fim, pedem os comandantes: “Retornar ao estado de direito e à observância de preceitos constitucionais democráticos fundamentais, como a liberdade de expressão, de ideias e de opiniões; e a garantia de que a vontade do povo, democrática e soberana, seja realizada através de trâmite de trâmite, com processos transparentes, que possam ser auditados e rastreados em todas as etapas, sejam elas de que tipos foram.”

Qualquer pessoa sabe o que significa procurar um quartel para entregar esse tipo de documento. Tal petição, se encaminhada aos tribunais, já causaria estranheza. Enviada aos comandantes expõe o desejo de seus autores. É um ato até desrespeitoso incomodar com esse tipo de pedido os militares profissionais que cumprem seus deveres e obedecem às leis e à Constituição. Mas não se trata de obra de inimputáveis. Não se rasga nota de R$ 100 nos acampamentos em frente aos quartéis, nem se toma ônibus errado. Deve, portanto, o Ministério Público Federal se debruçar sobre o manifesto para examinar a sua legalidade.

Manifestantes bolsonaristas colecionam crimes em bloqueios de estradas, danificam patrimônio, atentam contra a segurança dos transportes e contra a vida de policiais, agridem jornalistas e incendeiam veículos em atos violentos que buscam subverter a ordem no País. O remédio para a sedição e a subversão é a cadeia. E é por ter medo do braço da lei que o deputado Vitor Hugo (PL-GO) apresentou projeto para anistiar os delinquentes. Quando um crime fica sem punição, não é só a lei que é desacreditada; a societas sceleris sente-se autorizada a continuar com as suas ações.

Buscar a conciliação e a paz não significa promover a impunidade ou abandonar o exercício da autoridade. O silêncio de Lula da Silva mostra a incompreensão do desafio de construir uma coalizão de governo para uma nova concertacíon que não seja mera desculpa para a divisão de cargos. O tempo para a transição na Defesa está acabando. Quem for nomeado, terá poucos dias para apresentar o diagnóstico, o exame dos nomes e das políticas. É preciso tratar a Defesa com a dignidade e a importância que ela deve ter em um País com as pretensões do Brasil.(O Estado de S. Paulo)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Transição vai propôr regulação da internet para 100 primeiros dias de governo
Advogados querem que o Coaf continue fora do Ministério da Justiça
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play