Segunda-feira, 17 de junho de 2024

Miliciano Zinho é transferido para penitenciária de segurança máxima no Rio de Janeiro

Chefe da maior milícia do Rio de Janeiro, o miliciano Luis Antonio da Silva Braga, conhecido como Zinho, foi imediatamente levado para a Penitenciária Laércio da Costa Pelegrino, conhecida como Bangu 1, de segurança máxima.

A operação mobilizou um comboio com pelo menos 50 homens do Grupamento de Intervenção Tática, do Serviço de Operações Especiais e da Divisão de Busca e Recaptura, da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro (Seap). Ele se entregou à Polícia Federal (PF) no fim da tarde deste domingo (24) após uma negociação entre a PF e a defesa dele. O preso tem 12 mandados de prisão e estava foragido desde 2018. Ele comandou as recentes ações criminosas que pararam a zona oeste da Capital com mais de 30 ônibus queimados.

Zinho está isolado em área reservada para milicianos, em cela de 6 metros quadrados e, no primeiro momento, não terá acesso ao banho de sol. As refeições do detento serão servidas no próprio local.

“Prendemos o inimigo número 1 do RJ. Desarticulando esses grupos criminosos com prisões, apreensões e bloqueio financeiro e a detenção desse mafioso vamos combater de frente o crime. Não vamos parar!”, disse, em nota, o governador Cláudio Castro.

O secretário-executivo do Ministério da Justiça, Ricardo Cappelli, comemorou a prisão por meio do X (antigo Twitter). “Parabéns à Polícia Federal! É trabalho, trabalho e trabalho”, escreveu na publicação.

A prisão foi negociada entre os advogados de Zinho, a PF e a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro.

Quem é Zinho

Zinho assumiu a frente da milícia de Campo Grande, Santa Cruz e Paciência, no Rio de Janeiro, em 2021, dois meses após a morte do antigo líder, seu irmão, Wellington da Silva Braga, o Ecko. Antes de se tornar o líder da milícia, Zinho estava ligado às atividades de lavagem de dinheiro do grupo.

Ele era sócio de uma empresa que, segundo a polícia, faturou R$ 42 milhões entre 2012 e 2017. Outras empresas da organização criminosa eram utilizadas para movimentação deste dinheiro.

Em 2018, a Polícia Civil tentou cumprir um mandado de prisão contra Zinho em um sítio no Espírito Santo. Na ocasião, o miliciano conseguiu fugir pela mata, mas a polícia apreendeu o celular dele, deixado no momento da fuga. Nos últimos meses, a PF realizou várias operações para prender o miliciano.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Bacia Amazônica registra menores volumes de chuva em mais de 40 anos
Maior opositor de Vladimir Putin reaparece em prisão no Ártico após duas semanas desaparecido
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play