Sábado, 02 de março de 2024

Ministro de Lula diz que “Sergio Moro e Deltan Dallagnol comandaram uma organização criminosa”

O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social (Secom), Paulo Pimenta, disse que o ex-juiz federal, hoje senador, Sergio Moro (União-PR) e o ex-procurador Deltan Dallagnol (Podemos-PR) “comandaram uma sofisticada organização criminosa”. A fala do ministro se refere à atuação de Moro e Dallagnol durante Operação Lava-Jato.

Nas redes sociais, Paulo Pimenta comentou as mensagens trocadas entre o ex-juiz federal e o ex-procurador durante a operação que foram vazadas pelo site The Intercept Brasil, em 2019, e deram origem a Operação Spoofing.

“Cada vez que mais conversas da Vaza Jato são divulgadas aumenta minha perplexidade e minha indignação de como o Brasil foi capturado por essa quadrilha de bandidos de togas. Moro e Deltan comandaram uma sofisticada organização criminosa com ramificações em vários setores do aparato do Estado brasileiro”, comentou o ministro.

“Uma perigosa organização que nunca mediu limites e jamais teve escrúpulos para alcançar seu projeto de poder. Que todos sejam identificados e respondam exemplarmente pelos crimes cometidos contra a democracia. Nenhum tipo de impunidade pode ser tolerada contra esse bando e seus cúmplices!”, continuou.

Nessa sexta-feira (9), o Corregedor Nacional de Justiça, Luis Felipe Salomão, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) o compartilhamento das provas da “Vaza Jato” – as mensagens hackeadas.

O objetivo é usar o material em uma inspeção que a Corregedoria Nacional de Justiça (CNJ) está fazendo na 13ª Vara Federal de Curitiba e no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), responsáveis pelos processos da Lava-Jato.

Moro x Dallagnol

Dallagnol e Moro são amigos de longa data. Eles atuaram juntos no âmbito da Operação Lava-Jato. O senador como juiz federal e o deputado federal como procurador, sendo coordenador da operação.

Em 2019, o site The Intercept Brasil divulgou uma série de mensagens trocadas, por meio do aplicativo Telegram, entre eles, sobre procedimentos e decisões em processos, incluindo os que levaram à condenação do presidente Lula (PT).

Recentemente, Moro e Dallagnol foram acusados de tentativa de extorsão pelo advogado Rodrigo Tacla Duran durante a Operação Lava-Jato. Duran disse que foi “alvo” da operação por não ter aceitado ser “extorquido”.

De acordo com as denúncias do advogado, advogados ligados à Lava-Jato pediram a ele US$ 5 milhões para que não fosse preso no pela operação. O STF vai apurar o caso. Além disso, o ex-deputado estadual pelo Paraná, Tony Garcia, afirmou que trabalhou em “parceria” com o Ministério Público Federal, mas teve suas contribuições arquivadas.

Segundo o ex-parlamentar, ele foi delator da Lava-Jato e pivô das denúncias que levaram à prisão o ex-governador paranaense, Beto Richa, e trabalhou em parceria com Moro para obter informações que pudessem comprometer parlamentares do Partido dos Trabalhadores (PT).

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Donald Trump é acusado de colocar em risco a segurança nacional dos Estados Unidos
Ex-presidente dos Estados Unidos chama acusações contra si de “piada” e diz que é alvo de “um dos maiores abusos de poder da História”
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play