Terça-feira, 18 de junho de 2024

Morando há um ano com a família em Portugal, atriz Claudia Abreu não consegue se desligar da situação no Brasil

Morando há mais de um ano em Portugal com o marido e os quatro filhos, a atriz carioca Claudia Abreu não consegue se desligar da situação política e econômica no Brasil. “Estamos todos juntos nessa loucura. Por mais que fisicamente eu esteja fora, a aflição está dentro, junto”, declarou em entrevista ao jornal “O Estado de São Paulo”.

“Tudo que esse governo provoca, a negação, o embate, está adoecendo a sociedade”, desabafou a artista, que completará 51 anos na próxima terça-feira (12). “Não dá para defender mais as armas do que vacinas, não existe isso”.

Indagada se pretende morar novamente no País, a resposta é de bate-pronto: “Com certeza, amo o Rio de Janeiro, por mais que sei que morar na cidade é estar em estado de alerta o tempo inteiro”.

A atriz passou quase seis meses gravando no Brasil a segunda temporada da série “Desalma”, do canal por assinatura Globoplay. “Por isso agora, vamos estender nossa estadia em Portugal até janeiro”, prossegue.

De Portugal, Cláudia está fazendo pós-graduação online em Artes Cênicas, pela PUC do Rio de Janeiro. “É terça e quinta à noite, com o fuso vai até 2 da manhã”. Ela conta que depois que se formou em Filosofia, em 2009, pegou gosto pela escrita.

Atualmente afastada das novelas, a atriz pode ser vista no cinema, no longa-metragem “O Silêncio da Chuva”, adaptação para o cinema do suspense policial de Garcia-Roza, dirigido por Daniel Filho – ela também colaborou com o roteiro.

Para o ano que vem, ela está escrevendo uma peça sobre a vida e obra da escritora inglesa Virgínia Wolff (1882-1941). “É uma autora que admiro muito, não consigo explicar porque exatamente, mas ela realmente me toca”.

Trechos da entrevista

– “Portugal tem a grande vantagem de ser um país calmo. É um lugar que ainda tem paz, você fica menos em estado de alerta. Sou apaixonada pelo Rio de Janeiro e não deixo ninguém falar mal da minha cidade, nas sei que morar lá é andar em estado de alerta o tempo inteiro, parar no sinal e ficar com o radar ligado. Então, realmente aqui tem uma tranquilidade que é prazerosa”.

– “Agora, curiosamente, mesmo estando aqui, não consegui sair [mentalmente] do Brasil. Ouço todos os podcasts de política, fico contando a hora que o fuso vai atualizar para poder ver o jornal. É uma angústia tão grande que a gente está sentindo com o Brasil, que não tem como desligar. Pelo menos não tenho esse distanciamento e esse ‘dane-se’ o Brasil. Estamos todos juntos nessa loucura”.

– “Por mais que fisicamente esteja fora, a aflição está dentro, junto. Acho que isso tudo que tá acontecendo com nosso País, essa divisão, tudo isso que esse governo provoca, a negação, o embate, está adoecendo todo mundo como sociedade mesmo”.

– “A sociedade brasileira está polarizada. Não é que as pessoas estão só brigando, mas alguma coisa se transformou nas relações. Você já não pode mais olhar a pessoa que defende o Bolsonaro da mesma maneira, por mais que ela tenha direito democraticamente de pensar diferente de você, mas entram os valores dela. É uma questão moral, muito mais profunda.”

– “Democracia é respeitar quem pensa diferente, até aí tudo bem. A questão é que tem limite, chega uma hora que não é simplesmente pensar diferente, entram outras coisas em jogo, caráter, sentido de coletividade, de respeito ao outro. Não dá para defender mais as armas do que vacinas, não existe isso”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Claudia Abreu

Começa em Caxias do Sul a 30ª Mercopar, maior feira de inovação industrial e negócios da América Latina
Anitta ganha lingeries de Rihanna: “Agora preciso de um cara gostoso”
Pode te interessar

sem nada para mostrar

Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play