Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Novo governo quer revogação de programa de escolas cívico-militares de Bolsonaro

Uma prévia do relatório que deve ser entregue pela equipe de transição da educação nesta quarta-feira (30) sugere a revogação integral e imediata de três medidas emblemáticas do governo de Jair Bolsonaro: o programa de Escolas Cívico-militares; a Política Nacional de Alfabetização; e a Política Nacional de Educação Especial. Esses pontos são citados como “consenso entre atores de diversas frentes no campo educacional” e “consideradas mais urgentes e de grande impacto”.

A primeira versão do texto está sendo revisada pelos membros do grupo de trabalho da educação. O relatório pode sofrer alterações até o dia 30, quando deverá ser entregue ao coordenador da transição e vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin. Um segundo documento, será entregue posteriormente, no dia 11 de dezembro, com a análise final.

As três políticas que estão na mira da transição foram amplamente criticadas por educadores, que as consideram um retrocesso para a área. No caso das escolas cívico-militares, especialistas acreditam que o governo errou ao focar num modelo educacional restrito e que dificilmente poderia ser reproduzido em larga escala no país. Também apontam como negativa um processo de militarização da educação.

Em relação à política de alfabetização, a administração Bolsonaro focou em impulsionar o método fônico, em que a criança aprende por meio da associação das letras aos sons (b + a = ba). Em vez disso, poderia ter adotado diversas metodologias, para especialistas, mais adequada para facilitar o aprendizado de alunos de perfis variados.

Já a política de educação especial foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A Corte entendeu que a medida poderia dificultar a inclusão de crianças com deficiência no sistema de ensino, já que priorizava as chamadas “escolas especiais”, exclusivas para esses estudantes, ao invés de inseri-los na rede regular.

A prévia do relatório afirma que ainda foram identificados no MEC ” indícios graves de corrupção que precisam continuar a ser investigados.” No início do ano, a imprensa revelou suspeitas de que dois pastores teriam cobrado propina de perfeitos para ajudá-los a destravar repasse de verba no Ministério da Educação. Cita ainda que durante a atual administração houve “fortes retrocessos institucionais, orçamentários e normativos”, assim como “ausência de diálogo com os principais atores do campo educacional, não raras vezes atacados, a exemplo dos professores e das universidades.”

Além dessas medidas, o grupo sugere outras anulações: de uma portaria que modificou a composição do Fórum Nacional de Educação, das nomeações de conselheiros para o Conselho Nacional de Educação (CNE), que geraram polêmica no início do mês por desconsiderar a indicação de entidades técnicas da área. O relatório aponta ainda a necessidade de derrubar medidas relacionadas a regulamentação e oferta de cursos à distância.

Desnutrição

O relatório lista ainda os pontos que considera altamente críticos do atual governo. Entre eles está o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Segundo o grupo, há risco de “agravar o cenário da fome e desnutrição”. Cita o aumento dos custos das refeições e a falta de receita dos municípios para fornecer alimentação adequada, assim como o não cumprimento dos parâmetros mínimos de referência nutricional.

O descumprimento das metas do Plano Nacional de Educação (PNE) e a implementação do Sistema Nacional de Educação, conhecido como SUS da Educação, também foram relacionados pelo grupo como “alta criticidade”. Lançado pelo governo Bolsonaro, o programa de Inovação e Educação Conectada foi listado como “média criticidade” por problemas na governança que, segundo o relatório, pode impedir a implementação de conectividade de banda larga nas escolas.

O núcleo temático propõe a extinção de estruturas administrativas do MEC: a Secretaria Nacional de Alfabetização e a Diretoria de políticas para Escolas Cívico-militares. Sugere, porém, a recriação da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização de Jovens e Adultos, Diversidade e Inclusão; e também da Secretaria de Articulação de Sistemas de Ensino.

Cobertor curto

O texto destaca atenção especial a problemas orçamentários. O núcleo temático estimou em R$ 20 bilhões o déficit de orçamento no MEC entre 2015 e 2022. A transição comparou o projeto de lei orçamentária para 2023 enviado pelo governo Bolsonaro ao Congresso com a dotação disponível neste ano para cada área. A educação básica é uma das mais afetadas, com queda de quase 100% dos recursos previstos.

A construção de creches também será prejudicada caso a situação permaneça como está. O relatório indica a suspensão de obras para educação infantil, assim como o repasse a municípios. O grupo também lista o risco de suspensão do pagamento de bolsistas, devido aos cortes orçamentários.

O governo Lula tenta viabilizar abertura de espaço no orçamento para o próximo ano por meio da “PEC da transição”. Nessa segunda (28), o presidente eleito foi a Brasília para iniciar uma rodada de negociações pela aprovação do texto no Congresso. A PEC quer retirar o Bolsa Família integralmente da regra do teto de gastos, viabilizando recursos para outras áreas.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

O atirador de 16 anos que invadiu duas escolas no Espírito Santo, matando ao menos quatro pessoas, disse que se preparou para os ataques com base em vídeos disponíveis no Youtube
Indicados por Bolsonaro como ministros do Supremo, André Mendonça e Nunes Marques deverão ter posturas distintas no governo Lula
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play