Domingo, 21 de julho de 2024

O Banco Central, câmbio, inflação e Taxa Selic

O BANCO CENTRAL foi criado pela Lei 4.525 de 31 de dezembro de 1964. Coincidentemente a coordenação da criação dessa Lei foi feita pelo avô do atual presidente do BANCO CENTRAL, Ministro do Planejamento de então, ROBERTO CAMPOS. Era um Economista e Diplomata com largas passagens pelos Estados Unidos, onde havia sido
Embaixador do Brasil. Tomou como modelo básico o FED (BANCO Central dos Estados Unidos).

Só não deu autonomia operacional nem mandatos fixos aos seus Diretores, porque lhe convinha determinar e fiscalizar a política que deveriam implementar na novel instituição. Por uma dessas coincidências do destino quis a sorte que estivesse na PRESIDÊNCIA DO BANCO CENTRAL, seu neto, ROBERTO CAMPOS NETO, no momento
em que foi promulgada a LEI COMPLEMENTAR 179 de 24 de abril de 2021, que instituiu a AUTONOMIA OPERACIONAL E MANDATOS FIXOS para os membros das Diretorias do BANCO CENTRAL.

Feito esse resumido preâmbulo, devemos destacar que entre as múltiplas funções que hoje tem a Diretoria do BANCO CENTRAL, estão incluídas com destaque: O CONTROLE DO CÂMBIO; e o CONTROLE DA META DE INFLAÇÃO. Tanto o CÂMBIO quanto a INFLAÇÃO tem estreita relação entre si. Uma influi na outra. Relaciono a seguir alguns aspectos econômicos que têm influência no câmbio. Ressalto que o controle do CÂMBIO é responsabilidade legal e exclusiva da Diretoria do BANCO CENTRAL. Para melhor entendimento começamos destacando as RESERVAS CAMBIAIS DO BRASIL que eram:

– em 31/12/2022 US$ 324,6 Bilhões;
– em 31/12/2023 US$ 355,0 Bilhões;
– em 14/06/2024 US$ 375,0 Bilhões.

Como está posto aqui, durante este ano e meio da gestão LULA, as RESERVAS CAMBIAIS aumentaram em US$ 50,4 bilhões. Isso representa um aumento de 15,52% ao que havia recebido da gestão Bolsonaro.

Quanto ao CÂMBIO do REAL frente ao DÓLAR, em 31/12/2023, US$ 1,00 valia R$ 4,9181; hoje, 14/06/2024,US$ 1,00 vale R$ 5,380, uma desvalorização do REAL frente ao DOLAR de 8,90% em cinco meses e meio. Nesse mesmo período nossa inflação está em 3,86% a.a.

Nesse mesmo período o DOLAR, em relação a outras moedas de países
emergentes, inclusive da América do Sul, com RESERVAS CAMBIAIS, muito inferiores as brasileiras, perdeu valor.
É de conhecimento primário em economia, que uma moeda só se valoriza frente a outra, quando a demanda é maior que a oferta.

Como imaginar que o Brasil de hoje com RESERVAS CAMBIAIS de US$ 375 bilhões em caixa, tenha falta de dólares para suprir a demanda diária e controlar ou até baixar o câmbio?

Parece inadmissível de que com tamanhas reservas e inflação de 3,86% a.a. o REAL sofra uma desvalorização frente ao Dólar em apenas cinco meses e meio de 8,90%.

O CÂMBIO é um dos fatores que mais influi na inflação. Com a globalização da economia tanto os produtos exportados quantos os importados sofrem os efeitos do câmbio nas mesmas proporções, pois o Dólar é a moeda de troca majoritária tanto nas exportações quanto nas importações brasileiras. Para exemplificar tomamos como exemplo o PETRÓLEO, que é um produto que o Brasil produz; refina parte para nosso consumo interno que é vendido em Reais, e exporta o excedente que é cotado em dólares. Sem que o barril de petróleo tenha recebido nenhum centavo da aumento em Dólares, o que é vendido no mercado interno, em Reais, sofre o aumento equivalente a desvalorização do Real frente ao Dólar.

Os derivados refinados para ser vendidos no mercado interno sofrem aumento de preço igual a desvalorização do Real frente ao Dólar nos últimos cinco meses e meio deste ano. Esse reflexo na inflação vale para tudo o que exportamos ou importamos em dólar.

Onde é que está a ação da Diretoria do BANCO CENTRAL, nesse caso, para conter a inflação? É lícito desconfiar que essa inação da Direção do Banco Central em relação ao Câmbio é praticada propositadamente. Com isso impedindo a baixa da inflação para o CENTRO DA META, e arrumando argumento para manter a SELIC nas alturas, de preferência ainda mais alta do que se encontra . Nunca é demais assinalar os malefícios que a SELIC alta ocasiona à economia:
– aumenta enormemente os débitos do TESOURO que terão de ser pagos com arrecadação de tributos;
– inibe o investimento produtivo pelo encarecimento do capital, desviando o dinheiro disponível para a especulação financeira;
– reduz o crescimento econômico;
– reduz a oferta de empregos;
– reduz a arrecadação tributária, afetando a União, Estados e Municípios, dificultando o equilíbrio dos orçamentos;
– reduz a possibilidade de aumentos reais de salários, tanto do setor privado quanto do público, com reflexo negativo no consumo;
– favorece a concentração de renda nas mãos dos especuladores;
– impede a melhoria do IDH (índice de desenvolvimento humano); além de outros malefícios.
– Até o final deste ano vamos viver uma intensa campanha de apavoramento da sociedade visando emplacar nas Diretorias do Banco Central que serão substituídas até o fim do ano, nomes de interesse do mercado financeiro.
– O grande pavor dos rentistas é que com a autonomia de ação e mandatos fixos da Diretoria do BANCO CENTRAL o atual Governo nomeie, para substituir os que irão encerrar seus mandatos no final do ano, profissionais mais preocupados com os interesses da Nação e que façam uma gestão contrárias aos seus interesses, fundamentalmente com substanciais reduções da TAXA SELIC. Isso lhes tira do bolso os confortáveis, seguros e polpudos ganhos que estão obtendo atualmente com aplicações em TÍTULOS DO TESOURO.
– Nos últimos doze meses o TESOURO NACIONAL pagou R$ 776,3 bilhões de Reais de juros da DÍVIDA PÚBLICA, o que corresponde a 7% do PIB. A TAXA SELIC originou a maior parte dos juros pagos pelo TESOURO NACIONAL, pois a maior parte da DÍVIDA DO TESOURO está atrelada a ela. Em 2021, quando a SELIC estava a 2% a.a., os juros pagos pelo TESOURO foram de R$ 353 bilhões, menos de 47,5% do que estamos pagando hoje. A TAXA SELIC, no patamar em que se encontra, é absolutamente injustificável, malgrado os malabarismos semânticos que a banca é os rentistas vem usando para justificá-la.
– É dever dos bem informados que não sejam rentistas, denunciar as manobras que estão em marcha para continuarem controlando o BANCO CENTRAL em favor da especulação.

(Mário José Baptista é economista)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas

Campanha Mochila Cheia quer alcançar 200 mil estudantes das redes públicas atingidos pelas enchentes no RS
Presidente da Federasul adverte para fuga de gaúchos para outros Estados
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play