Sexta-feira, 01 de julho de 2022

loader

O IMC é uma farsa? Cálculo que aponta se pessoa tem sobrepeso estaria ultrapassado; entenda

A fórmula do IMC é simples: pegue seu peso (em quilogramas) e divida pelo quadrado de sua altura (em metros). O resultado, que coloca em uma das quatro categorias principais, destina-se a descrever seu corpo em uma ou duas palavras: baixo peso (IMC menor que 18,5), peso normal (18,5 a 24,9), sobrepeso (25,0 a 29,9) ou obeso (30 ou mais).

Muitos se sentem julgados por essas categorias, visto que apenas cerca de um quarto dos adultos nos Estados Unidos podem se considerar “normais” na escala de IMC. Mas depois de conversar com um epidemiologista, dois médicos especialistas em obesidade, um psicólogo e um sociólogo, nenhum afirmou que o IMC era uma medida muito útil para a saúde de uma pessoa. E, de fato, alguns dizem que realmente chamariam isso de fraude.

Como o IMC pode ser útil?

Introduzido na década de 1830 por um estatístico belga, o cálculo foi denominado índice de massa corporal e popularizado na década de 1970 pelo fisiologista de Minnesota Ancel Keys. Na época, o Dr. Keys estava irritado com a forma como as seguradoras de vida estavam estimando a gordura corporal das pessoas – e, portanto, seu risco de morte – comparando seus pesos com os pesos médios de outras pessoas da mesma altura, idade e gênero.

“É uma medida muito útil na pesquisa epidemiológica”, diz JoAnn Manson, professora de medicina na Harvard Medical School. Em média, as pessoas com um índice de massa corporal mais alto têm mais gordura corporal, por isso pode ser útil para monitorar as taxas de obesidade, que quase triplicaram globalmente nas últimas décadas. Também tem uma relação “em forma de J” com a mortalidade; IMC muito baixo e muito alto estão associados a maior risco de morrer mais cedo, enquanto a faixa de “normal” a “sobrepeso” está associada a menor risco de mortalidade.

Como o Dr. Keys descobriu, o IMC também é fácil e barato de se medir, razão pela qual ainda é usado em estudos de pesquisa e consultórios médicos hoje.

Apesar de toda a utilidade como ferramenta de pesquisa, o índice de massa corporal é “bastante inútil quando se olha para o indivíduo”, disse a Dra. Yoni Freedhoff, professora associada de medicina de família na Universidade de Ottawa.

O IMC não pode dizer, por exemplo, que porcentagem do peso de uma pessoa é proveniente da gordura, músculos ou ossos. Isso explica por que atletas podem ter IMC alto, apesar de terem pouca gordura corporal. E à medida que as pessoas envelhecem, é comum perder massa muscular e óssea, mas ganhar gordura abdominal, uma mudança na composição corporal que seria preocupante para a saúde, mas poderia passar despercebida se não alterasse o IMC de uma pessoa, disse Manson.

A medida também faz um trabalho ruim ao prever a saúde metabólica de uma pessoa. Em um estudo de 2016, com mais de 40 mil adultos nos Estados Unidos, os pesquisadores compararam o IMC das pessoas com medidas mais específicas de sua saúde, como resistência à insulina, inflamação e pressão arterial, triglicerídeos, colesterol e níveis de glicose. Quase metade dos classificados com sobrepeso e cerca de um quarto dos classificados como obesos eram metabolicamente saudáveis por essas medidas. Por outro lado, 31% das pessoas com índice de massa corporal “normal” não eram metabolicamente saudáveis.

O IMC pode “rotular uma grande faixa da população como de alguma forma aberrante por causa de seu peso, mesmo se eles forem perfeitamente saudáveis”, disse A. Janet Tomiyama, autora principal do estudo e professora associada de psicologia da saúde na Universidade da Califórnia, Los Angeles.

Outro problema com o IMC é que ele foi desenvolvido e validado principalmente em homens brancos, disse Sabrina Strings, professora associada de sociologia da Universidade da Califórnia, Irvine. Mas a composição corporal e sua relação com a saúde podem variar dependendo do gênero, raça e etnia. “Mulheres e pessoas negras não estão amplamente representadas em muitos desses dados”, disse a Dr. Strings. “No entanto, eles estão sendo usados para criar um padrão universal.”

O IMC pode ser prejudicial?

Pode ser prejudicial se um médico presumir que uma pessoa com um índice de massa corporal normal é saudável e não a questionar sobre hábitos potencialmente prejudiciais à saúde que ela pode ter, como seguir uma dieta pobre ou não praticar atividade física suficiente. E se os médicos de pacientes com IMC mais elevados se concentrarem apenas no peso como causa de quaisquer problemas de saúde que possam ter, eles podem perder diagnósticos mais importantes e arriscar estigmatizar os pacientes.

Há muitas evidências de que o estigma de peso é prejudicial, disse Tomiyama. Uma pesquisa mostra que o preconceito contra a gordura é comum entre os médicos, o que pode resultar em cuidados de qualidade inferior e fazer com que os pacientes evitem ou atrasem o atendimento médico. Pessoas que se sentiram discriminadas por causa do peso maior também têm cerca de 2,5 vezes mais probabilidade de transtornos de humor ou ansiedade, e são mais propensas a ganhar peso e ter uma expectativa de vida mais curta.

“Você pode ver uma situação em que esse foco no índice de massa corporal, e que existem IMC históricos e não históricos, pode ser altamente estigmatizante”, disse a Dr. Tomiyama. “E esse estigma, por sua vez, pode ironicamente estar levando a futuros aumentos de peso.”

Essa carga pode recair desproporcionalmente sobre os negros, disse Strings, que, como grupo, tendem a ter IMC mais altos do que os brancos – especialmente entre as mulheres. No entanto, as evidências obtidas de um IMC mais alto não estão tão relacionadas à morte. Se os médicos se concentram apenas no índice de massa corporal, disse Strings, é mais provável que eles culpem o IMC pelos problemas de saúde de seus pacientes ou aconselhem seus pacientes negros a perder peso.

Se você está preocupado com o peso, uma maneira mais direta e relevante de medir a gordura corporal potencialmente prejudicial à saúde é medir a circunferência da cintura, disse Manson. Isso estima a gordura abdominal, que se encontra nas profundezas do abdômen e se acumula ao redor dos órgãos vitais. Em excesso, pode aumentar o risco de certas condições relacionadas à obesidade, como diabetes tipo 2, hipertensão e doença arterial coronariana. Também é mais prejudicial do que a gordura subcutânea – a gordura mole que você pode apertar com os dedos e que fica em uma camada logo abaixo da pele.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Nove bebês que nasceram em parto recorde no Marrocos receberão alta
Diretor assistente de “Rust” foi demitido de filme em 2019 após membro da equipe ser ferido por arma
Pode te interessar
Baixe o app da TV Pampa App Store Google Play